Sejam Bem Vindos!

Quero agradecer, carinhosamente, pela sua visita e espero que possamos continuar partilhando experiências, as quais considero-as importantes para manutenção de minha recuperação.
Sua partilha (comentários) aqui nos Posts, bem como seguir-me quando julgares conveniente, é importante para que possamos estreitar ainda mais a nossa amizade, algo que é fundamental para um crescimento em nível de ser humano...ainda mais quando se trata de um adicto em recuperação, como eu.
Por isso, mais uma vez, muito obrigado por sua presença!
Que bom que você veio! Que bom que você me visitou!
Melhor ainda será ler seus comentários e ver-te aqui, sempre que possível, ajudando-me dia-a-dia.
Que O PODER SUPERIOR continue te concedendo o direito de reconhecer, aceitar e realizar a Vontade DELE, em todas as suas épocas e lugares, para que só assim, possas continuar desfrutando destas Dádivas de renovados dias Limpos, Serenos e repletos de Saúde e Paz!
Abraços e TAMUJUNTU.
Loading...

Siga por e-mail

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Nossos Apegos, O Grande Motivo De Nossos Sofrimentos

Hoje trago aqui mais um artigo que acho interessante compartilhar, pois trata-se de algo que todos nós temos, independente de termos problemas ou não com DQ ou Codependência. Estou me referindo ao apego. Ao apego das coisas, das pessoas, das situações, das circustâncias, dos fatos, dos sentimentos...
O resumo deste artigo nos diz: "Livre-se do que você não quer para dar lugar ao que você quer."
Assim sendo, temos que ter este discernimento para poder deixar o apego pela vida de nossos familiares dependentes, ou mesmo de nossa substância de preferência, de modo que possamos dar lugar para as coisas que realmente queremos.
Espero que leiam o artigo, que gostem e viva-o com intensidade.
Abração e TAMUJUNTU.



Nossos Apegos, O Grande Motivo De Nossos Sofrimentos
Autor:"Sandra Regina da Luz Inácio" "
http://www.artigonal.com/authors/58664" Sandra Regina da Luz Inácio

Espaços em nosso guarda-roupa é fácil de achar, mas abrir espaços em nossa  mente e coração, cheios de velhas idéias, sentimentos negativos, mágoas, rancores, isso é muito difícil. 

Apegamo-nos às nossas crenças como o náufrago se agarra à sua tábua de salvação; raramente nos permitimos aprender a nadar.

Temos que fazer uma limpeza em nossas vidas, de gavetas a sentimentos, de armários a relacionamentos. Ciúme não é, não foi nem será prova de amor, mas de apego. 

Apego é doença milenar das pessoas que não consegue abrir os olhos para o presente e não vislumbram futuro, porque muitas vezes o melhor de suas vidas já passou. Cultivamos memórias das mágoas, dores e tristezas e as arquivamos intactas, sem retirar delas nenhum aprendizado útil. É como rever um filme triste de que já se conhece o final.

Há pessoas capazes de oferecer o pedaço de pão que possui ou a roupa do corpo, mas  que não perdoam aquela vez que alguém lhe disse aquele desaforo.

“Nossos apegos exercem uma influência magnética que nos retém num lugar como se estivéssemos na prisão. É difícil dizer se essa força controladora provém de nossos atos passados, do nosso medo da morte ou de alguma origem desconhecida; o fato é que não podemos nos mover e, assim, toda a sorte de frustrações e conflitos nos ataca, criando mais frustração e mais sofrimento" (Tarthang Tulku).

O terapeuta Wayne W. Dyer observa em seu livro Crer para Ver: "Se temos alguma falta é porque estamos nutrindo pensamentos de nada e esse tipo de pensamento sempre amplia o vazio. Podemos nos expandir de maneira mais satisfatória, concentrando-nos na inteireza e compreendendo que não podemos possuir nada, jamais. Isto não exclui sentir grande prazer nas coisas que acumulamos ou das quais nos apoderamos temporariamente."

Tudo está sempre em estado de transformação, inclusive o título que detemos de nossa propriedade, todos os nossos brinquedos, nossa família, nosso dinheiro, tudo." "Tudo em transição”.

“Tudo circulando, caindo em nossos braços para que deles desfrutemos momentaneamente e, em seguida, lançá-los de volta à circulação. Quando internalizamos esta noção de não sermos capazes de possuir nada, ironicamente isso nos liberta para termos tudo que quisermos, sem a preocupação de possuirmos. Logo descobrimos a alegria de passar adiante e dele compartilhar."   (Wayne W. Dyer).

Quem resiste aos acontecimentos da vida somatiza lixos emocionais na forma de acne, aneurisma, arteriosclerose, artrite, artrose, cálculos, coágulos, cravos, enfisema, fibroma, hematomas, hemorróidas, obesidade, prisão de ventre, trombose, entre outros.

Usamos várias desculpas para justificar nossos apegos e nossa resistência às mundaças, como bem observou Louise Hay (Você Pode Curar Sua Vida, Ed. Best Seller). Adotamos atitudes que disfarçam nossa rigidez "mudando de assunto" ou ficando doentes; perdendo tempo sofrendo com antecedência, reforçamos nossas crenças com generalizações, adiamos decisões importantes,  resistimos, negando a possibilidade de mudanças. Com isso repetimos sintomas até materializá-los sob a forma de doenças.

O desapego nos torna criativos, abre espaço em nossas vidas para o novo e para a arte de buscar novos caminhos, novas alegrias, novas experiências.

Livre-se do que você não quer para dar lugar ao que você quer.

psicologiaauto-ajuda-artigos/nossos-apegos-o-grande-motivo-de-nossos-sofrimentos-737415.html</p>

 sandra@empresafamiliar.com.br


Perfil do Autor
•PhD em Administração de Empresas pela Flórida Christian University  (EUA)
•PhD em Psicologia Clínica pela Flórida Christian University   (EUA)
•Psicanalista e Diretora de Assessoria Geral da Sociedade de Psicanálise Transcendental.
•Mestre em Administração de Empresas, Especialista em Estratégias de Marketing em Turismo e Hotelaria, MBA em Gestão de Pessoas e Especialista em Informática Gerencial.
•Psicanalista voluntária na Casa de Apoio à Criança Carente com Câncer e na Universidade da Terceira Idade.
•Professora da FGV do Rio de Janeiro e de mais 03 universidades.
•Empresária no ramo moveleiro
•Responsável e Membro do Conselho Editorial da Revista Empresa Familiar.
•Coordenadora do grupo de Excelência de Empresa Familiar do Conselho Regional de Administração de São Paulo - CRA.
•Diretora da DS Consultoria S/S Ltda, especializada em Empresas Familiares.
•Conciliadora, Mediadora e Árbitra Empresarial.
•Membro do Conselho Editorial e responsável pela Revista Empresa Familiar.
•Autora do livro O Perfil do Empreendedor e co-autora do livro Empresa Familiar: Conflitos e Soluções, juntamente com Domingos Ricca, Roberto Gonzalez e José Bernardo Enéas Oliveira.
•Vários artigos publicados na área de Administração e Psicanálise em revistas especializadas.
e-mail:

Um comentário:

  1. Esse texto para mim foi como um bofete,bem dado...
    Muitas reflexões,cadê a coragem para se livrar do que não se quer,pq se está tão acostumado aff!
    TamuJuntu!

    ResponderExcluir