Sejam Bem Vindos!

Quero agradecer, carinhosamente, pela sua visita e espero que possamos continuar partilhando experiências, as quais considero-as importantes para manutenção de minha recuperação.
Sua partilha (comentários) aqui nos Posts, bem como seguir-me quando julgares conveniente, é importante para que possamos estreitar ainda mais a nossa amizade, algo que é fundamental para um crescimento em nível de ser humano...ainda mais quando se trata de um adicto em recuperação, como eu.
Por isso, mais uma vez, muito obrigado por sua presença!
Que bom que você veio! Que bom que você me visitou!
Melhor ainda será ler seus comentários e ver-te aqui, sempre que possível, ajudando-me dia-a-dia.
Que O PODER SUPERIOR continue te concedendo o direito de reconhecer, aceitar e realizar a Vontade DELE, em todas as suas épocas e lugares, para que só assim, possas continuar desfrutando destas Dádivas de renovados dias Limpos, Serenos e repletos de Saúde e Paz!
Abraços e TAMUJUNTU.
Loading...

Siga por e-mail

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

ATENDIMENTO COM QUALIDADE?!?!?

Olá, pessoal!

Estou repassando aqui uma notícia publicada no Blog Dependência Química, da UNIAD, cujo link segue logo abaixo da Matéria.
Segundo a mesma, existem falhas no atendimento a DQ oferecidos pelos Planos de Saúde.
Agora eu me pergunto: e onde é mesmo que o DQ tem atendimento de qualidade, heim?
Se alguém aí souber, por favor, me fale.
Até onde eu sei...até onde eu tenho conhecimento, até mesmo as Clínicas que atendem nessa Área, só dispensam aos mesmos o mínimo de atenção básica, proporcionando apenas a integração do mesmo a Instituição.....e olhe que para isso, a Família dispensa uma alta quantia em pagamento mensal.
Perdoe-me aqui os donos de Clínicas...Desculpe-me aqui os que fazem parte de Equipe Técnica que atendem nelas ou em Comunidades Terapêuticas. Perdoem-me aqui os que fazem os CAPS AD, mas a verdade é que os DQ nunca foram atendidos de forma equânime.
Até concordo que existem vários & vários profissionais que dispensam toda atenção e todo carinho aos DQ em seus atendimentos. Concordo que não posso generalizar que as falhas sejam as mesmas existentes em todos os locais de atendimentos aos DQ. Mas não posso deixar de repudiar a insatisfação que os DQ encontram quando procuram ajuda, seja lá em Hospitias Públicos, seja lá nos CAPS AD, seja lá nas CT o nas Clínicas que agem com maus tratos ou mesmo com indiferença entre alguns internos...ou mesmo nos atendimentos através dos Planos de Saúde.
Deixa um usuário de Drogas injetáveis chegar num Hospital precisando de atentimento, pra ver o que acontece...eu sou prova viva disso! Não quero nem me lembrar do descaso que me foi dado!
Deixa um Alcoólico chegar num Posto precisando de atendimento, pra ver o que acontece...deixa ele chegar no melhor Hospital, com o melhor Plano de Saúde, pra ver o que acontece.
Deixa o DQ apresentar um quadro de CID F14.3 - Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso da cocaína - síndrome [estado] de abstinência ou CID F14.4 - Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso da cocaína - síndrome de abstinência com delirium, que sabe-se qual o atendimento que ele receberá.
Bom....quem duvidar, basta pagar pra ver....e digo mais ainda.....só quem sabe é quem já precisou destes Serviços e constatou a realidade.....e digo mais ainda...muitas vezes a família nem sabe do "B-A=BA" todinho, pois só quem sabe mesmo é o DQ que está sendo submetido a estes atendimentos.
Mas aí vai a Matéria em sua íntegra.
Abração e TAMUJUNTU.




Debate aponta falhas no atendimento a dependentes químicos


Beto Oliveira
'Agência Câmara de Notícias'


Martha de Oliveira: empresa deve reembolsar paciente se não oferecer atendimento.
Debatedores apontaram nesta terça-feira, em audiência da Comissão Especial de Políticas Públicas de Combate às Drogas, falhas no tratamento oferecido pelas operadoras de planos de saúde aos dependentes químicos. Os contratos assinados após 1998 devem garantir aos usuários tratamento contra todas as doenças previstas na classificação internacional, inclusive contra a dependência química. Desde 2008, o tratamento deixou de ser apenas médico e passou a incluir outros profissionais, como psicólogos e nutricionistas.
Porém, o deputado Aureo (PRTB-RJ), autor do requerimento de realização da audiência, afirmou que, apesar dessa garantia legal, não vem sendo oferecido o tratamento adequado. “O plano de saúde só atende na emergência, quando o dependente químico está com hemorragia”, afirmou. Segundo ele, a luta é para que o cidadão possa se internar numa clínica e ter o tratamento custeado pelo plano.


O procurador da República Fabiano Moraes, coordenador de um grupo de trabalho sobre o tema, afirmou que os planos de saúde oferecem uma rede muito pequena de atendimento e agem como se não fosse deles a responsabilidade por esse tipo de tratamento, o que considera equivocado.
Queixas
De acordo com Martha de Oliveira, representante da Agência Nacional de Saúde Suplementar, que fiscaliza as empresas do setor, o órgão recebe poucas reclamações a respeito desse problema. Até agosto deste ano, das quase 20 mil queixas registradas apenas 60 tratavam da área de saúde mental, que inlcui a dependência química.


http://www.uniad.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=10766:debate-aponta-falhas-no-atendimento-a-dependentes-quimicos&catid=29:dependencia-quimica-noticias&Itemid=94

ELA ESTÁ MAIS UM DIA LIMPO!

Um dia limpo, é um verdadeiro Milagre!
Para um adicto às Drogas, um dia sem usá-las é mesmo um MILAGRE!
Recentemente estou acompanhando um caso que me chama a atenção pelas fortes crises de abstinência que esta jovem apresenta. Para que não conheçe a problemática, chega até a dizer que é fingimento dela. Alguns outros ainda dizem que ela tá fazendo isso para querer justificar sua recaída. Outros, ainda, dizem que o que ela está sentindo é bem mais que a falta da substância, que ela tá doente, coisa e tals.
Muito bem....ela realmente está doente....e põe doente nisso! Ela está seriamente doente!
Uma doença tão grave e tão séria, que leva seu portador (e de quebra sua família e todos os que lhe são caro) à destruição física, mental, moral, social, espiritual, conduzindo-os a morte!
Uma doença silenciosa, que faz com que seu portador desacredite de suas consequências, tamanha é a sutilidade que ela inicia-se no indivíduo.
Uma doença que sua causa é o uso abusivo de substâncias nocivas à saúde, mas que, ainda assim, seu consumo traz certo "prazer", onde dificulta mais ainda o reconhecimento de tal doença e, consequentemente, seu tratamento.
Dependência Química é mesmo um caso seríssimo e hoje em dia tem-se repercutido bastante na mídia suas trágicas consequências. Hoje em dia, ter um Filho(a) que não seja usuário de Drogas é tão difícil quanto acertar na loteria. Talvés alguém esteja dizendo: "Pô!   Aí já é demais!"   Mas vai fazer as contas em cima das estatícias apresentadas. Vai fazer as matemáticas com os números apresentados. Vai olhar os números apresentados pelo UNODC (Escritório das Nações Unidas Sobre Drogas e Crime), onde diz que 84% dos jovens já experimentaram bebidas alcoólicas. E Álcool é droga....por sinal, uma das mais "pesadas". Diz mais ainda que, no Planeta, cerca de 1,1 Bilhão de pessoas são fumantes....(sem comentários).
Agora me digam se é tão difícil assim criar um Filho(a) sem que ele tenha alguma experiência com as Drogas?  Isso é para as lícitas e as ilícitas.
Me digam se é tão difícil assim, criar um Filho(a) sem que ele tenha acesso a estas Drogas? - Será que nossos Filhos(as) serão os sortudos que irão passar isentos das Drogas?
Isso é o que eu desejo e torço para que aconteça. Mas sei que a realidade pode ser outra. Criar um Filho(a), por exemplo, em Recife/PE, onde os índices de violência são absurdamente assustadores, é mesmo um MILAGRE isentá-lo das consequências das Drogas. Sem falar que eu me refiro as consequências não somente para quem as usa, mas para toda a sociedade que é vítima, pois muitos destes assaltos, furtos e/ou mesmo as chamadas "balas perdidas", advém do SUBMUNDO DO SISTEMA.
Esta jovem que estou acompanhando tem um histórico muito comovente. Hoje ela encontra-se desamparada da Família. Hoje ela está totalmente traumatizada pelas violências sofridas recentemente em um episódio contra a mesma. Hoje ela está muito abatida, mas, apesar de tudo isso e muito mais, HOJE ELA ESTÁ LIMPA, e não usou Drogas.
Hoje ela está sob nosso cuidado. Estamos dispensando todo carinho e atenção necessário. Estamos mostrando-a que ela não está sozinha e que pode contar conosco. Hoje eu a vi se tremendo toda, pedindo um copo de chá quente, dizendo que os lábios estavam com gosto de "@(#*$%&@#", mas eu disse: "vai passar!".....aí ela disse: "eu sei...é por isso que ainda estou aqui....é esperando passar!".
Ficarei com estas poucas palavras, desejando que toda sorte do mundo estejam presentes em nossas vidas, para que possamos ter um futuro livre das consequências das Drogas. Que nossos familiares que ainda estão na ativa possam encontrar o caminho da recuperação. Que nossos familiares que estão em recuperação, continuem firme e forte. Que nossos Filhos(as) nunca experimentem da perdição.
E para que eu possa exemplificar ainda mais o meu raciocínio sobre a matemática que comentei, segue aqui o artigo " O NÚMERO DAS DROGAS NO BRASIL", extraído do site
http://www.dicaquente.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=23:o-numero-das-drogas-no-brasil&catid=72:sai-droga&Itemid=113

Abraços e TAMUJUNTU.

O NÚMERO DAS DROGAS NO BRASIL
Escrito por Dolores
Sáb, 29 de Maio de 2010 21:00


0,5% dos brasileiros com idades entre 12-65 anos consomem opiáceos(medicamentos à . Alguns países chegaram a baixar o preço da erva para ajustá-lo ao poder de compra. Em 2008, 187,1 Kg de maconha foram apreendidos no Brasil.
0,7% base de morfina). O Brasil é o país que mais consome na América do Sul.
2,6% dos brasileiros com idades entre 12-65 anos consomem maconha. Desse total 6,3% do consumo está entre alunos do ensino secundário com idades entre 15-16 anos
dos brasileiros com idades entre 12-65 anos consomem anfetaminas. O Brasil é produtor dessa droga.
0,2% dos brasileiros com idades entre 12-64 anos consomem ecstasy. Em 2008 13,3 kg foram apreendidos no Brasil. Em 2009, autoridades brasileiras desmantelaram um fabricante sofisticado e disso resultou-se a apreensão de 30.000 comprimidos
49% das escolas estaduais tem problemas com o consumo e o tráfico de drogas segundo pesquisa feita em 5 capitais brasileiras.
20.000 brasileiros morrem a cada ano em decorrência do consumo de entorpecentes ou de crimes relacionados ao tráfico.
O Denarc tem mais de 100.000 traficantes fichados em seus arquivos. 
10% dos presos brasileiros (isso significa 16.000 )são traficantes. Isso significa que cresceu em relação ao ano de 1997 quando esse percentual era de 0,7%.
Em 97, foram assassinados, na capital paulista, 247 menores com idades entre 10 e 17 anos, sendo que 80% das mortes estavam  relacionadas com a venda e o uso de drogas.
O número de viciados em crack, cocaína e maconha na capital paulista chega a 1,6 milhão.Dos 150.000 usuários de Crack em São Paulo, continuam vivos apenas 1.500 (por se absterem).  
O comércio de Crack movimenta cerca de 18 Milhões de reais por mês e cresce a cada dia.
O uso de drogas injetáveis está associado a cerca de 50% de todos os casos de AIDS nas regiões de São Paulo e Santa Catarina.
Na lista de países com o maior número de acidentes de trânsito do mundo, o Brasil figura no topo, com 1 milhão de acidentes por ano, resultando, daí, 300.000 vítimas, sendo que, 50.000 fatais. Dos 20% de acidentes no trabalho, 40% são fatais 25% de queda no rendimento da pessoa e 10% no rendimento dos colegas é provocado por ele. 10% da população mundial, acima de 15 anos, sofre de alcoolismo. A maior parte das internações em hospitais psiquiátricos são causadas pelo alcoolismo. 
Por exemplo: em 96 foram internadas mais de 80.000 pessoas. Cerca de 22 milhões de brasileiros são atingidos por este problema atualmente. 84% dos adolescentes já
experimentaram álcool; 18% deles consomem com freqüência, 8,8% da população brasileira bebe em excesso.
No Japão, se um convidado sair alcoolizado de uma reunião e bater o carro, o dono da festa será autuado como co-responsável pelo acidente.
Alguns Filósofos como Hipócrates, Sócrates e Platão já alertavam para os malefícios do álcool.
Teorias científicas em desenvolvimento (por Universidades Americanas) supõem que, pelos vestígios de drogas encontrados e pela ausência de armas, a extinção das civilizações Maia, Asteca inclusive Egípcia, poderia ter sido em decorrência da dependência ao uso de drogas. As taxas de prevalência de infecção pelo HIV entre usuários de drogas injetáveis chegam a 71% em Itajaí, 64% em Santos e 51% em Salvador.
No Brasil, 30,6 milhões de pessoas fumam, dos quais , 100 mil morrem por ano.Segundo levantamento da OMS uma Epidemia Planetária, mata ou matará  3,5 milhões de pessoas a cada ano (1998), 10 mil pessoas a cada dia. Em 2020, 10 milhões de pessoas morrerão por ano no mundo e 250 milhões de crianças vão morrer de tabagismo. No planeta, cerca de 1,1 bilhão de pessoas são fumantes, sendo que: * 73% ou 800 milhões só nos países em desenvolvimento,( 48% de homens e 7% de mulheres), * 27% nos países desenvolvidos( 42% de homens, 24% de mulheres). 
*Se voce se assustou com esses dados, veja o relatório na íntegra. É fresquinho, foi publicado mundialmente em 23/06/2010, pelo UNODC (Escritório das Nações Unidas Sobre Drogas e Crime). 

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A INDÚSTRIA DO ÁLCOOL E A VIOLÊNCIA

Paula Miraglia
Antropóloga analisa segurança pública, justiça e cidadania

Último Segundo Papel da publicidade nos comerciais de cerveja é tema de debate da Organização Mundial da Saúde na África do Sul

Acontece em Cape Town a 5ª reunião da Campanha Global pela prevenção da violência, promovida pela  Organização Mundial da Saúde (OMS). Entre os especialistas presentes, vindos de diferentes países, parece haver consenso em torno do fato de que o álcool tem um papel relevante na produção e reprodução da violência.
É reconhecido que criminalidade e violência são resultado de um conjunto de fatores. Desigualdade social e econômica, mercado ilegal de armas de fogo, uma cultura pautada pela resolução violenta de conflitos são alguns deles. Mas é inegável que sobretudo em se tratando de violência interpessoal, como é o caso dos homicídios ou da violência doméstica, se o álcool não pode ser apontado como a causa, ele é sem dúvida um catalisador poderoso.
Políticas públicas de prevenção que tiveram resultados positivos, como foi o caso do município de Diadema (SP), incluíram a regulação e redução do consumo de álcool entre as medidas adotadas.
Umas das questões debatidas por especialistas na África do Sul foi o papel da publicidade. Assim como no Brasil, a propaganda de cerveja é veiculada livremente. Claramente visando jovens e adolescentes, evoca constantemente a idéia de sucesso, juventude e até saúde - se no Brasil os jogadores de futebol são os garotos propaganda, aqui são ídolos da seleção de rugby os escolhidos para vender cerveja.
O ex-ministro da saúde José Gomes Temporão, no inicio do seu mandato, ainda no governo Lula, anunciou que o consumo abusivo do álcool e os problemas derivados dele seriam sua prioridade. Aos poucos, o tema desapareceu da agenda política do ministro e de governo.
A regulação da publicidade é controversa e sempre objeto de debate. Mas diante de um problema de saúde e segurança pública tão evidente, será a indústria capaz de negar sua parcela de responsabilidade?
Disponível em: http://www.uniad.org.br/

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

ACEITAÇÃO





Ontem, aliás, já era hoje pela madrugada, quando postei aqui minha partilha sobre meus sentimentos ao assistir o Programa que apresentou uma reportagem sobre DQ e Codependência.
Finalizei meu Post com os olhos cheios de lágrimas. Uma dor enorme dentro de mim.

Um sentimento de culpa tão grande, por ter sido eu quem apresentei as primeiras drogas para meus irmãos. Um sentimento de culpa tamanha por eles estarem na vida que estão.

Ontem, mais uma vez, me cobrei muito por tudo o que aconteceu e ainda vem acontecendo em minha família.

Finalizei o Post. Desliguei o Notbook e fui durmir....quer dizer, tentar durmir.
Passei horas "castelando" em tudo o que havia se passado desde minha infância até o dia de hoje. Lembrei-me dos momentos em que eu havia iniciado com minhas primeiras doses de bebidas alcoólicas, dadas pelo meu Pai. Lembrei-me dos meus primeiros "baseados", onde, naquela época, era tão discriminado, que ninguém queria chegar nem perto de "maconheiro". Era um tipo de pessoa totalmente repudiada.
Ontem eu passei horas na cama tentando me lembrar dos momentos em que meu Pai nos levava para passear e eu me divertia muito com meus irmãos e minha família.
Aí comecei a me lembrar das vezes em que as coisas deram os primeiros passos para a destruição. Lembrei-me quando aconteceram minhas primeiras complicações por uso de drogas. Lembrei-me das primeiras vergonhas que causei pra minha família. Lembrei-me das vezes que tirei coisas de casa pra trocar por drogas. Lembrei-me das vezes que dei drogas para meus irmãos, fazendo com que eles também tivessem algo pra esconder dos nossos pais e assim não me entregar pra eles. Lembrei-me de cada momento, de casa situação, até os dias de hoje.
Dentre estes tristes momentos, alguns deles foram bastante chocante e impactante! Momentos como o que fiz minha família passar, quando noticiava na midia falada, escrita e televisada, os trágicos acontecimentos que eu provocava em minhas insanidades. Momentos como o de minha familia totalmente destruida, desamparada, onde havíamos acabado com tudo dentro de casa e minha Vó, minha falecida Vó, não tinha mais o que comer e saía pelas ruas, tentando comer nas casas dos parentes, que já não queriam mais nem ajudar, pois sabiam que nós (eu e meus irmãos), iríamos trocar tudo por drogas.
Nestas alturas, minha Mãe já não morava mais conosco, apenas minha Avó não nos abandonou nunca!
Ela era tão religiosa! Tinha uma Fé tamanha de que nós iríamos vencer! Tinha uma disposição imensa em continuar lutando conosco, nos defendendo de todo jeito.
Minha Avó.....Saudades enormes!
Ontem foi mais um dia destes, onde passei horas para pegar no sono.
Quando eu estava tentando durmir, meu telefone toca.....já eram altas horas da madrugada. Era um brother meu, que havia assistido o dito Programa e queria que eu o ajudasse. Queria que eu arrumasse uma vaga pra ele na CT.
Aquele momento foi onde pude ver o quanto as coisas podem ter um significado diferente. Dali pra frente, começei novamente a me reerguer. Passei a encarar a situação com mais aceitação, pois sou convicto de que não posso mudar nada e nem ninguém, mas, como eu disse, é complicado esse desligamento emocional.
Quando eu desliguei o telefone, parece que eu havia tirado o grampo dos olhos que impediam-me de durmir. Logo o sono chegou e livrei-me do sentimento de culpa que ora me pertubava.

Abração e TAMUJUNTU.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

ASSISTINDO O "PROFISSÃO REPÓRTER", REVIVI MEU PASSADO!

Acabei de assistir o Programa "Profissão Repórter" e foi como se tivesse ido novamente ao meu passado, vivendo aqueles momentos de ativa.

Olhei aquelas crianças internadas...vi a história daquele menor que havia sido internado a força e estava todo alegre, bem mais forte, mas que ainda carregava as marcas da adicção ativa pelo corpo...ainda tinha uma certa rejeição da família, pois não havia visitas regulares, nem ao menos atendiam os telefonemas da Unidade de Tratamento.
Dos quinze intermos, naquele dia, apenas dois receberam visitas.
Talvés quem esteja lendo isso aqui, não tenham noção do que é receber uma visita quando se está numa situaçao daquelas. E muitas vezes, pior do que não receber visitas, é receber algumas justificativas de nossos familiares, tentando nos convencer de que não é possível nos visitar, por motivos tipo " não posso faltar o serviço".

Vi aquela jovem "Marina", que fez todo um procedimento de rejeição pra entrar no tratamento, tentando fumar seu "último" cigarro antes de entrar, tentando criar ali mais um motivo para não entrar no mesmo. A história dela é bem semelhante a minha, pois eu fiz isso muuuuuitas vezes. Inventei muitas desculpas pra não entrar. Sem falar das vezes que estava tudo pronto pra ir, aí, horas antes de ir, eu inventava de ir "fumar um", somente um, dizendo pra mim mesmo que ia ser a "despedida".....de repente, nem voltava mais. A família, mais uma vez, enlouquecia! Era um outro desespero!
A história de Marina, pelo menos na reportagem, acabou com mais uma internação, sendo a sexta dela. Isso mostra o quanto é complicado essa questão de conseguir se recuperar. Eu, por exemplo, passei por dezenas delas....umas de forma espontânea, outras por Encaminhamento Judicial.


Vi aquele Senhor que acabara de sair da Clínica, terminando seu tratamento, retornando as atividades profissionais e ao convívio familiar, onde estava há tempos sem falar com seu filho.....lembrei-me de meu Pai. Ficamos muitos anos sem nos falarmos. Ele também teve problemas com alcoolismo. Desestruturou toda nossa família. Juntando com os filhos, que éramos todos drogados....pronto!


Vi aquela Mãe, a Rosimere, que tem quatro filho DQ....lembrei de Mainha, que teve os seus quatro filho usuários de drogas. Agora vocês imaginem.....ter um filho dependente químico já é um problema, imagine ter todos os seus quatro filho dependentes químicos?

Hoje minha Mãe está passando ainda por uns momentos difíceis...muito difícil mesmo pra ela. Mesmo que eu esteja bem e um outro irmão nosso também está bem, (aliás, ela hoje está morando com este meu irmão, que é casado e mora na Bahia), ainda assim, ela tem que aceitar a realidade de seus dois outros filhos estarem nas ruas de Recife/PE, largado nas drogas e no Submundo do Sistema.
Hoje mesmo eu falei com um brother meu, que contou que a situação destes meus irmão não está nada boa. Pedi que ele não deixasse eles passarem fome. Ele disse que sempre ajuda eles e outras pessoas também fazem o mesmo, mas disse que eles não estão querendo ajuda, não. Disse ainda que, quando ele fala de mim pra eles, eles ficam brabo e não querem nem conversar sobre o assunto.
Eu estou querendo ir este mês que vem lá, tentar resgatá-los, mas já sei que não será uma tarefa fácil.
Pra mim, é bem complicado isso, pois já tentei de várias formas ajudá-los, mas eles sempre estão voltando aquela vida. Um destes meus irmãos, eu até já trouxe ele para morar comigo por duas vezes, mas ele sempre volta pras ruas. Este ano mesmo, já levamos ele pra morar com meu irmão lá na Bahia, internamos ele, mas ele não passou mais que uma semana.
Hoje eu lido diretamente com estas questões, tanto no CAPS AD, quanto na Comunidade Terapêutica, e poderia conseguir facilmente uma vaga para ele. Sem falar que estou fazendo acompanhamento dos resultados de substâncias que são usadas no tratamento de DQ, e poderia até ver esta possibilidade de encanminhá-los para tal, mas isso depende somente deles...infelizmente não depende de mim. O que depende mesmo de mim, é aceitar esta situação, entender que não posso mudar eles, mas posso mudar a mim mesmo; o que cabe a mim é viver e deixar os outros viverem, mesmo que seja um processo difícil demais este desligamento emocional.

Eu hoje vou ter dificuldades para dormir...são 00:49hs e eu preciso acordar cedo, mas já me conheço e sei que não vai ser fácil dormir, pois sempre que falo sobre a minha família, fico horas e mais horas "castelando" em como eles devem estar nessas horas. Fico aqui me lembrando deles, "castelando" em onde eles devem estar neste momento. Enquanto eu estou aqui na minha casa, deitado em minha cama, onde será que eles estão essa hora? Será que eles já jantaram? Será que estão sentindo alguma coisa, tipo, dor, etc?
Hoje eu passei o dia todo com um mal estar, provavelmente algo que comi e não fez boa digestão. Isso me deixou o dia todo ruim...mas eu tenho aqui acesso a médicos, etc. Mas, e meus irmãos? Como eles estão? Onde eles estão? Eu que comi coisa boa, saudável, passei mal, imagine eles que eu soube que estava catando lixo?



Desculpem, mas estou impossibilitado de continuar este Post.


TAMUJUNTU.

Nossos Apegos, O Grande Motivo De Nossos Sofrimentos

Hoje trago aqui mais um artigo que acho interessante compartilhar, pois trata-se de algo que todos nós temos, independente de termos problemas ou não com DQ ou Codependência. Estou me referindo ao apego. Ao apego das coisas, das pessoas, das situações, das circustâncias, dos fatos, dos sentimentos...
O resumo deste artigo nos diz: "Livre-se do que você não quer para dar lugar ao que você quer."
Assim sendo, temos que ter este discernimento para poder deixar o apego pela vida de nossos familiares dependentes, ou mesmo de nossa substância de preferência, de modo que possamos dar lugar para as coisas que realmente queremos.
Espero que leiam o artigo, que gostem e viva-o com intensidade.
Abração e TAMUJUNTU.



Nossos Apegos, O Grande Motivo De Nossos Sofrimentos
Autor:"Sandra Regina da Luz Inácio" "
http://www.artigonal.com/authors/58664" Sandra Regina da Luz Inácio

Espaços em nosso guarda-roupa é fácil de achar, mas abrir espaços em nossa  mente e coração, cheios de velhas idéias, sentimentos negativos, mágoas, rancores, isso é muito difícil. 

Apegamo-nos às nossas crenças como o náufrago se agarra à sua tábua de salvação; raramente nos permitimos aprender a nadar.

Temos que fazer uma limpeza em nossas vidas, de gavetas a sentimentos, de armários a relacionamentos. Ciúme não é, não foi nem será prova de amor, mas de apego. 

Apego é doença milenar das pessoas que não consegue abrir os olhos para o presente e não vislumbram futuro, porque muitas vezes o melhor de suas vidas já passou. Cultivamos memórias das mágoas, dores e tristezas e as arquivamos intactas, sem retirar delas nenhum aprendizado útil. É como rever um filme triste de que já se conhece o final.

Há pessoas capazes de oferecer o pedaço de pão que possui ou a roupa do corpo, mas  que não perdoam aquela vez que alguém lhe disse aquele desaforo.

“Nossos apegos exercem uma influência magnética que nos retém num lugar como se estivéssemos na prisão. É difícil dizer se essa força controladora provém de nossos atos passados, do nosso medo da morte ou de alguma origem desconhecida; o fato é que não podemos nos mover e, assim, toda a sorte de frustrações e conflitos nos ataca, criando mais frustração e mais sofrimento" (Tarthang Tulku).

O terapeuta Wayne W. Dyer observa em seu livro Crer para Ver: "Se temos alguma falta é porque estamos nutrindo pensamentos de nada e esse tipo de pensamento sempre amplia o vazio. Podemos nos expandir de maneira mais satisfatória, concentrando-nos na inteireza e compreendendo que não podemos possuir nada, jamais. Isto não exclui sentir grande prazer nas coisas que acumulamos ou das quais nos apoderamos temporariamente."

Tudo está sempre em estado de transformação, inclusive o título que detemos de nossa propriedade, todos os nossos brinquedos, nossa família, nosso dinheiro, tudo." "Tudo em transição”.

“Tudo circulando, caindo em nossos braços para que deles desfrutemos momentaneamente e, em seguida, lançá-los de volta à circulação. Quando internalizamos esta noção de não sermos capazes de possuir nada, ironicamente isso nos liberta para termos tudo que quisermos, sem a preocupação de possuirmos. Logo descobrimos a alegria de passar adiante e dele compartilhar."   (Wayne W. Dyer).

Quem resiste aos acontecimentos da vida somatiza lixos emocionais na forma de acne, aneurisma, arteriosclerose, artrite, artrose, cálculos, coágulos, cravos, enfisema, fibroma, hematomas, hemorróidas, obesidade, prisão de ventre, trombose, entre outros.

Usamos várias desculpas para justificar nossos apegos e nossa resistência às mundaças, como bem observou Louise Hay (Você Pode Curar Sua Vida, Ed. Best Seller). Adotamos atitudes que disfarçam nossa rigidez "mudando de assunto" ou ficando doentes; perdendo tempo sofrendo com antecedência, reforçamos nossas crenças com generalizações, adiamos decisões importantes,  resistimos, negando a possibilidade de mudanças. Com isso repetimos sintomas até materializá-los sob a forma de doenças.

O desapego nos torna criativos, abre espaço em nossas vidas para o novo e para a arte de buscar novos caminhos, novas alegrias, novas experiências.

Livre-se do que você não quer para dar lugar ao que você quer.

psicologiaauto-ajuda-artigos/nossos-apegos-o-grande-motivo-de-nossos-sofrimentos-737415.html</p>

 sandra@empresafamiliar.com.br


Perfil do Autor
•PhD em Administração de Empresas pela Flórida Christian University  (EUA)
•PhD em Psicologia Clínica pela Flórida Christian University   (EUA)
•Psicanalista e Diretora de Assessoria Geral da Sociedade de Psicanálise Transcendental.
•Mestre em Administração de Empresas, Especialista em Estratégias de Marketing em Turismo e Hotelaria, MBA em Gestão de Pessoas e Especialista em Informática Gerencial.
•Psicanalista voluntária na Casa de Apoio à Criança Carente com Câncer e na Universidade da Terceira Idade.
•Professora da FGV do Rio de Janeiro e de mais 03 universidades.
•Empresária no ramo moveleiro
•Responsável e Membro do Conselho Editorial da Revista Empresa Familiar.
•Coordenadora do grupo de Excelência de Empresa Familiar do Conselho Regional de Administração de São Paulo - CRA.
•Diretora da DS Consultoria S/S Ltda, especializada em Empresas Familiares.
•Conciliadora, Mediadora e Árbitra Empresarial.
•Membro do Conselho Editorial e responsável pela Revista Empresa Familiar.
•Autora do livro O Perfil do Empreendedor e co-autora do livro Empresa Familiar: Conflitos e Soluções, juntamente com Domingos Ricca, Roberto Gonzalez e José Bernardo Enéas Oliveira.
•Vários artigos publicados na área de Administração e Psicanálise em revistas especializadas.
e-mail:

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

SERENIDADE

Bom dia!!!
Quero começar esta semana de atividades, postanto aqui algo que tenho guardado em meus arquivos, falando sobre a SERENIDADE.
O artigo a seguir pode ser encontrado no blog http://carlike.wordpress.com/category/a-serenidade-mental/

É um artigo um pouco grande, mas é bem interessante. Espero que gostem e façam bom proveito!
Abração e TAMUJUNTU.


Serenidade Mental – O antídoto contra as adversidades da vida



photo by: Debra R. Harder
As adversidades fazem parte da vida, mas, ao invés de sucumbirmos à elas, existe uma maneira de encontrarmos o equilíbrio interior. À seguir, o Dalai Lama expõem seu ponto de vista sobre este assunto:
“Embora seja esta a primeira vez que venho a esta parte do mundo, há um sentimento quando viajo para qualquer parte do mundo e vejo tantas pessoas… tenho a sensação de que, apesar de tantas diferenças, nós todos somos seres humanos iguais.
A partir da minha própria experiência também consigo sentir os sentimentos das outras pessoas.
Todos nós, por nossa própria natureza, temos a sensação de que devemos buscar algo melhor, de ser mais feliz, de termos um futuro cheio de luz.
Às vezes penso que minhas próprias experiências são úteis para os outros também. Pois a maior parte de minha vida até hoje foi vivida sob condições difíceis, foram períodos difíceis.
Assim, sob esse ponto… e nessas condições difíceis, aqueles momentos, aqueles estados mentais que me propiciaram felicidade e clareza mental, sobre isso eu gostaria de falar aqui para vocês hoje.
Basicamente o propósito de nossa vida é a felicidade.
E ao mesmo tempo, nas nossas vidas, e isso faz parte da condição humana, nós vamos estar encontrando períodos difíceis.
Nas circunstâncias difíceis, se nós fizermos uma tentativa de buscar respostas e soluções nas coisas externas estaremos equivocados.
Isso porque a mente desempenha um fator básico nas nossas vidas. Se uma pessoa estiver cercada por uma situação externa que lhe seja hostil, e se ainda assim ela conseguir preservar a clareza, a serenidade mental vai ser pouco afetada pelas circunstâncias externas.
Se alguém estiver mentalmente infeliz, mentalmente intranqüilo, mesmo cercado das melhores condições, as melhores facilidades, esta pessoa não vai sentir um sentimento de felicidade.
Se nós observarmos os países mais ricos, onde vivem pessoas para quem nada material lhes falta, ali poderíamos esperar que aquelas pessoas tivessem ótimas condições mentais também, mas o que às vezes vamos encontrar ali são pessoas muito perturbadas e aflitas.
Portanto nós não podemos negligenciar a parte mental.
Se nós conseguirmos equiparar o desenvolvimento material com o desenvolvimento mental vamos ver que as pessoas vão se tornar mais felizes e assim como toda comunidade, todo o mundo vai ter maiores chances de felicidade.
Agora a questão: como podemos conseguir paz de espírito, serenidade mental?
Em certas circunstâncias através das preces, da meditação.
Mais do que isso, através do exame da nossa condição mental, através do treinamento da mente.
A semente da paz mental é a compaixão (prolongadas palmas).
Vamos analisar um pouco mais para ver como a compaixão pode nos proporcionar a paz de espírito.
Primeiramente eu gostaria de explicar qual é o significado de compaixão.
Compaixão não é somente um genuíno sentimento de proximidade entre pessoas, mas também um verdadeiro sentido de respeito e de responsabilidade pessoal.
A paz, a compaixão nasce da compreensão de que todos os seres não querem o sofrimento, e querem chegar à felicidade, e querem ter os meios de alcançar a felicidade. Quando nós temos essa compreensão, nós temos a base da compaixão (palmas).
Compaixão não um sentimento que sentimos em relação àquelas pessoas que estão próximas de nós, nossos amigos íntimos, não é disso que eu estou falando. Estou falando, sim, da compreensão, do entendimento de que existe um Direito à Felicidade, um Direito de as pessoas serem felizes, e de buscarem a felicidade, e de um respeito nosso quanto a este Direito. Esta é a verdadeira base da compaixão, aquele tipo de compaixão que também se manifesta em relação aos inimigos (palmas).
Aquele tipo de sentimento que sentimos em relação aos amigos íntimos é quase sempre um sentimento de apego. E o apego, na verdade, vem carregado de preconceitos. A compaixão é isenta de preconceito. O apego normalmente parte de uma projeção mental, de que aquela pessoa nos parece algo bom, algo belo, e aquele sentimento aí se desenvolve. No momento em que aquela aparência muda, ainda que a pessoa seja a mesma, aquele sentimento normalmente acaba.
Assim é importante distinguir apego de compaixão. E é importante ter compaixão sem apego.
Era isso o que eu queria falar acerca da compaixão.
Pois quando um indivíduo desenvolve esse tipo de sentimento automaticamente se lhe abre a porta interior.
Se você olha por esse ângulo, todas as pessoas são seus velhos amigos.
Porque, depois que você abre aquela porta interior, você pode se comunicar com qualquer outra pessoa. Como se elas fossem nossos velhos amigos.
Esta é a verdade que elimina o medo, a desconfiança de uma pessoa por outra. Desenvolve autoconfiança. Desenvolve determinação.
Por isso a compaixão é uma fonte de força interior.
Para nós termos uma vida mais feliz, um futuro mais feliz, esta autoconfiança é determinante.
Por outro lado, se nós alimentamos emoções negativas, como por exemplo o ódio, essa negatividade automaticamente fecha a porta interior.
E aí, nessas circunstâncias, a comunicação com o outro fica muito difícil. E nasce o sentimento de suspeita, de dúvida.
Por isso digo que a compaixão é a real fonte da felicidade. Da paz mental.
Agora, para sermos mais práticos, seria muito útil fazermos uma distinção entre raiva e ódio.
Ainda que seja melhor que a raiva também não exista. Embora nós devamos reconhecer que em certas ocasiões, em certas circunstâncias, com uma motivação adequada, com uma motivação de compaixão, a raiva possa aparecer.
É importante fazermos esta distinção entre raiva e ódio, é importante que a raiva apareça sem ódio (palmas).
Da mesma forma que nós escolhemos no mundo exterior aquelas coisas que nos são benéficas e afastamos aquelas outras coisas que nos fazem sofrer, da mesma forma no mundo mental existem vários estados mentais, uns nos fazem bem, outros nos fazem muito mal e nós devemos evitar, como a raiva e o ódio.
Devemos cultivar os bons e abandonar os maus estados mentais.
Muitas vezes quando falamos de compaixão, amor e perdão, as pessoas pensam que tais questão são questões religiosas. Sem dúvida todas as religiões do mundo vão tratar desses valores e vão incorporá-los.
Mas eu penso que podemos fazer uma distinção entre religião e valores humanos básicos, fundamentais.
Sem dúvida as diferentes religiões e a fé têm o seu valor para cultivarmos essas qualidades humanas fundamentais. Porém é possivel o ser humano sobreviver sem religião, mas sem compaixão, sem afeto o ser humano não consegue sobreviver.
Se observarmos o ser humano desde a sua concepção até o final de sua vida nós vamos ver que em cada momento o afeto, a afeição está na base da vida do ser humano todo tempo.
Por exemplo na sua concepção: se amor e afeto não estão presentes no ato da concepção provavelmente nos vamos ver um efeito indesejável como por exemplo crianças que nascem e não são amadas por seus pais.
As crianças que recebem afeição e carinho têm uma saúde melhor, têm um estado mental melhor e podem aproveitar melhor a educação a que têm acesso.
Por outro lado, uma criança privada de carinho vai ter mais dificuldade em aprender, desenvolver o seu potencial mental, estará mais sujeita a perturbações. O que mantém o ser humano é a mansidão, a docilidade, e não a agressividade (palmas). O próprio corpo humano gosta da afeição humana, é fácil nós nos convencermos disso, basta nós observarmos o nosso corpo e vermos como ele aprecia a docilidade.
De acordo com alguns cientistas após o nascimento da criança o contato físico é vital para que o seu cérebro cresça apropriadamente.
De acordo com a nossa experiência diária se nós conseguimos manter uma serenidade, se temos amigos íntimos, isso faz com que nossa saúde mesmo física seja melhor.
A pessoa que carrega a compaixão dentro do coração não precisa buscar ajuda e alívio em tranqüilizantes e sedativos.
A mente compassiva é fonte de boa saúde.
Por outro lado, se sofremos de ódio, se somos tomados por estados mentais muito agitados, aos poucos isso afeta nossa digestão, nosso sono e com o tempo a nossa saúde.
E uma outra razão – e isto é uma característica singular no ser humano – nós temos o nosso sorriso.
É possível que alguns macacos também tenha capacidade de sorrir. O sorriso, o sorriso gentil, alegre e genuíno, não o sorriso social e diplomático ou sarcástico, mas o sorriso interior e autêntico, ele mesmo provoca felicidade.
Porque a natureza humana é de que nós somos sociais. E do contato com a sociedade humana o afeto é a chave.
Eu penso que temos um número suficiente de razões para afirmar que a natureza humana é afetuosa.
Cada ser humano tem a semente do altruísmo. A semente da compaixão (palmas). É muito importante compreender isso.
Isto faz nascer a nossa responsabilidade, os nossos esforços para que desenvolvamos essa potencialidade, para atingirmos essas metas.
E paralelamente a este trabalho de fazer aumentar a nossa compaixão é importante o nosso maior empenho para reduzirmos o ódio.
Na vida como seres humanos é inevitável que, num momento ou noutro, coisas desagradáveis estejam acontecendo conosco.
Quando nos deparamos com esses infortúnios é necessário que nós olhemos para esse fato com uma certa distância.
Se olharmos o problema muito de perto ele vai nos parecer muito grande! Se olharmos de uma certa distância ele vai diminuir de tamanho e de importância.
E todo acontecimento, todo fenômeno que ocorre é de certa maneira relativo.
Todo fato tem diferentes aspectos.
O mesmo acontecimento, se você mudar de perspectiva, se você o vê de maneira diferente, por um outro ângulo, você vai ter um diferente sentimento em relação a ele.
Por exemplo a minha própria experiência. Se eu olhar pelo ângulo de que eu perdi o meu próprio país e há 33 anos vivo no exílio, se eu observar isso de perto isso vai me entristecer muito. Mas também existe um outro lado. Essas circunstâncias puderam propiciar que eu pudesse conhecer novas pessoas, outras culturas, outras tradições, outras religiões, tudo isso me enriqueceu, tudo isso me deu liberdade, hoje eu posso dispensar as formalidades, ficou mais fácil de eu me comunicar com outra pessoa (muitas palmas).
Por isso, quando nos defrontamos com problemas, é preciso olhá-lo de diferentes maneiras para reduzir o seu impacto de tristeza.
E existe também um outro método: Alguns problemas acontecem, e têm solução e não há necessidade de nos preocuparmos. Outros acontecem e não têm solução e não há nenhuma utilidade em nos preocuparmos com eles (palmas).
Na nossa vida há muitos conflitos e contradições e certamente se olharmos a nossa própria mente vamos lá encontrar muitos conflitos e contradições.
Se observarmos com uma visão correta, o próprio conflito é causa de nosso progresso. Através de nossa sofisticada inteligência podemos perceber muitos de nossos conflitos. E quando estamos diante de um problema, de um conflito, se olharmos para ele de uma certa distância, vamos sempre encontrar naquela situação um elemento comum que é aglutinador daquela circunstância. E a partir do reconhecimento daquele elemento comum que tem a possibilidade de aglutinar nós nos convencemos de que é necessário mantermos o controle, não perdermos a cabeça, e a partir dessa postura utilizando a nossa inteligência humana nós vamos trabalhar buscando um caminho para a solução. É a isso que chamamos de Sabedoria.
Mesmo as diferentes religiões do mundo no passado e nos dias de hoje manifestam um certo conflito. Se observarmos as diferentes religiões ou filosofias vamos ver que seus fundamentos às vezes parecem contraditórios, por exemplo o Budismo, o Janaísmo não acreditam num criador, mas para a maior parte das religiões a figura de um criador é básica, é fundamental. Mas apesar das diferenças existem pontos de base comuns apesar da maneira diferente que certos valores são apresentados. Por exemplo em todas as religiões vamos encontrar um ponto comum que é o calor do coração, em todas há a valoração da compaixão, do amor e do perdão.
Uma outra idéia que alimento das coisas religiosas é que como nós seres humanos somos bastantes diferentes como pessoas ou com disposições pessoais diferentes, se houver uma diversidade, uma pluralidade de religiões isso é algo muito positivo.
Uma única religião não é capaz de satisfazer a diversidade dos seres humanos.
Olhando por este ângulo, não só é possível termos respeito pelas diferentes religiões como também vamos encontrar uma unidade entre as religiões diferentes. Este ponto de vista não só é possível como necessário (palmas).
A distinção que havia entre Ocidente e Oriente se desfez. E eu acho que isso é uma coisa bastante positiva. Agora nós encontramos uma distinção entre Norte e Sul, basicamente a partir de parâmetros econômicos.
Se cada país for olhar só para seus próprios interesses vamos ter muitos conflitos. Por isso temos de chegar a ter uma diferente perspectiva: quer seja no Norte, quer seja no Sul, ambos os lados pertencem a só mundo.
Antigamente as nações conseguiam sobreviver de forma isolada, até mesmo elas eram eram auto-suficientes, bastavam-se a si próprias. Porém, com a economia que temos hoje no mundo isto é impossível devido à globalização, à comunicação que existe. Agora o interesse de cada um está diretamente entrelaçado com o interesse de todos. O seu próprio futuro depende do futuro das outras. Em outras palavras, há um só mundo. Nessas circunstâncias vai haver o bem geral se houver harmonia, se houver cooperação entre as nações. Isto é principalmente relevante no que se refere à ecologia. Os problemas estão além das fronteiras nacionais. Nessas circunstâncias é crucial ter o sentido da responsabilidade universal.
Se falarmos em paz, é necessário pensar na paz interior, na paz de espírito
A paz imposta pelo ódio é impossível (palmas).
A paz mundial, a paz internacional, a paz entre as famílias e cidades vem do indivíduo, da paz individual, da iniciativa individual.
Quando proclamamos a necessidade de haver paz devemos desenvolver primeiro a necessidade de haver paz dentro de nossos corações (palmas).
A paz com compaixão, a redução dos sentimentos negativos vamos chamar de desarmamento interior (palmas).
Mas o desarmamento interno é suficiente?
A resposta é “não”.
Primeiro o desarmamento interior, depois a desmilitarização.
O aparelho militar é muito caro de ser mantido, ele é um desperdício e é muito destrutivo.
De uma certa maneira a guerra faz parte da História. Através das civilizações as pessoas buscaram o progresso. A tecnologia faz parte da evolução, do progresso. Mas o mundo mudou. Pelos dias de hoje eu penso que a maior defesa que uma nação pode ter é a não-violência e a compreensão.
Chegou a hora de nós pensarmos com seriedade na desmilitarização do mundo.
É claro que isso não é uma coisa a ser conseguida da noite para o dia. Isso é uma evolução gradual. Podemos começar banindo as armas nucleares, depois armas ofensivas, até chegar a uma desmilitarização. E é possível que continue necessária uma polícia internacional sob um certo controle. Mas eu acredito que se houvesse uma desmilitarização global nós não mais teríamos guerras nacionais, guerra civil, ditadores… (palmas).
Por conclusão eu diria que, apesar de todos os problemas, de todas as dificuldades, as condições hoje são mais positivas, há mais esperanças em um mundo melhor. Se nós utilizarmos a inteligência, se nós planejarmos bem, o próximo Século vai ser um Século mais feliz.
Para encerrar eu gostaria de agradecer a apresentação que me foi feita [pela artista norte - americana Shirley MacLaine e pelo Senador Abdias] (palmas). Quando me apresentaram penso que foram muito excessivos nos elogios, eu fiquei um pouco constrangido. De qualquer maneira, meus agradecimentos sinceros (palmas).
Eu tive muito prazer de conversar com vocês hoje, de estar com vocês hoje e de participar de algumas das minhas idéias.
Se de tudo que eu disse vocês viram algo útil, tentem praticar. Se sentiram que essas coisas não são úteis, basta esquecê-las” (prolongadas palmas)

extraido do site:
http://omtaretuttareturesoha.blogspot.com/2009/08/ss-xiv-dalai-lama-alem-das-diferencas.html

domingo, 18 de setembro de 2011

18 DE SETEMBRO

Era justamente um 18 de Setembro, assim como hoje, e uma hora dessa eu estava sentado numa mesa de bar, ingerindo bebidas alcoólicas, sem uma menor perspectiva de vida. Quer dizer, naquele dia, eu estava programando mais uma "fuga-geográfica", pois eu havia aprontado umas "paradas" em Recife-PE e tinha "sujado", então, tinha que "lavrar" dali o mais rápido possível. E como parte do plano, resolvi tentar pegar uma grana com meu Pai, que nestas alturas morava em Olinda-PE e eu acabara de ir pela primeira vez em sua nova residência, após muito tempo que ele morava lá.
Interessante foi que, ao encontrar o apartamento onde ele morava, eu não subi para falar com ele. Fiquei em um barzinho em baixo do prédio e, de repente, chega um cidadão, me cumprimenta e diz: "Rapaz! Plena segunda-feira e você tomando cachaça uma hora dessa! Ainda mais sem tiragosto, só com esse confeito (balinha)! eu vou pegar um tiragosto pra você!
Eu disse que não precisava. Ele saiu. Logo voltou com uns pedaços de galinha num guardanapo. Eu insisti que não queria, pois realmente eu não gostava de comer enquanto bebia, e com apenas um confeito (uma balinha), eu tomava litros e mais litros de cachaça. Eu tinha mania de quebrar o confeito em pedacinhos e a cada gole, eu colocava um pedacinho na boca.
Quando aquele homem chegou, que colocou o tiragosto sob a mesa, eu disse-lhe: "Meu brother! Não precisava, não! Mas eu tô ligado que tu tá afim é de tomar uma. Senta aí e toma uma!".
Ele simplesmente respondeu: "Não! Não! Eu já tomei a minha conta!".....E retirou-se.
Isso era por volta de umas 15:00hs. Eu continuei me drogando até que, por volta de umas 17:30hs, eu resolvi subir e reencontrei o meu Pai. Pedi dinheiro para beber mais e ele me disse que poderia até me dar uma garrafa de cachaça, mas só se eu fosse assistir com ele uma Reunião de A.A..
De imediato, eu recusei. Não era a primeira vez que ele me convidava e eu recusava. Então ele disse que eu deveria procurar outro lugar para aprontar, porque ele não estava querendo mais passar vergonha por causa de minhas insanidades.
Sem discutir, eu aceitei ir nessa tal Reunião, só mesmo para ganhar a garrafa de cachaça.
Ali começou toda uma articulação dele para me levar à um Grupo onde eu pudesse me identificar, pois eu era jovem, com 21 anos de idade, era usuário de outras drogas, era ateu, não acreditava em DEUS, e tudo isso ele levou em consideração para que eu fosse levado a um Grupo onde eu me sentisse a vontade. É tanto que, naquele dia, que era uma segunda-feira, havia um Grupo que funcionava pertinho do apartamento que eu morava no Recife, porém, além de eu não querer voltar no Recife, porque tava "sujo" lá meu setor, tinha outro detalhe, que era do Grupo funcionar numa Igreja e eu não entrava em Igrejas há um bom tempo. Então, tinha que me levar a um outro Grupo e ainda bem que em Pernambuco existem vários Grupos funcionando no mesmo dia e horário, em locais diferentes.
Mas aí veio a hora de ir a Reunião. Quando descemos do apartamento, um carro nos esperava. Era o padrinho de meu Pai em A.A.. E era justamente o cidadão que me trouxe o tiragosto a tarde. Quando o vi, não quis mais entrar no carro e comentei com meu Pai o motivo. O Homem perguntou a meu Pai se eu era o filho dele que ele tanto comentava e disse que eu estava desesperado por estar tomando cachaça daquele jeito, em plena segunda-feira.
Após várias tentativas minhas de sair dali, fui convencido a entrar no carro. Fui levado a um Grupo bem distante, onde assisti aquela minha primeira Reunião de A.A., mas totalmente contra a minha vontade.
Na real, na real, eu queria mesmo era ganhar a garrafa que ele havia me prometido. Na real, na real, se fosse pra escolher uns mil lugares, ou mesmo uns dez mil lugares onde eu quisesse estar naquele momento, confesso que uma sala de A.A. não estaria nem em último lugar.
Só sei que eu fiquei na sala o tempo todo. Não hesitei em entrar, porque funcionava na Associação de Moradores. Não tentei sair porque não tinha ninguém tentando me evangelizar, nem me perguntando nada. Quando me fizeram as 12 Perguntas que normalmente fazem nos Grupos, para ajudar a pessoa a se identificar se tem ou não problemas com a bebida, me disseram que eu não precisava responder em voz alta. No final, me perguntaram se eu queria ou não ingressar em A.A..
Ali gerou uns instantes de silêncio, pois eu pensei:"se eu disser que não, meu Pai vai ficar chateado e num vai me dar bebida. E se eu disser que sim, aí é que ele num vai me dar mesmo!".
Ainda bem que naquela Região os coordenadores não perguntam se a gente quer ingressar ou se quer voltar mais vezes, porque se me perguntassem se eu queria voltar outras vezes, eu diria que sim e certamente não voltaria mais nunca....já teria até morrido! Mas só me deram duas opções: SIM ou NÃO. E eu disse SIM, somente para agradar me Pai.
Quando terminou a Reunião, fomos quase todos do Grupo pra uma pizzaria....só chegava refrigerantes na mesa. Quando eu perguntei pela minha bebida, meu Pai me disse:"Você disse que queria ser membro de A.A. e membro de A.A. num bebe não!".
Naquela noite, após muito tempo, eu estava pela primeira vez participando de uma "brincadeira" sem fazer uso de bebidas alcoólicas. Naquela noite, naquele Grupo de A.A., eu escutei alguém me perguntar se eu já tinha imaginado que eu poderia aproveitar muito mais a vida se não bebesse. Naquela noite, após muitos anos, muitas pessoas me disseram que eu era a pessoa mais importante, quando, na verdade, eu não tinha mais importância alguma, a não ser para a Justiça, que tinha interesse em mim.
Naquela noite de 18 de Setembro de 1995, eu tomei o que pra mim, até hoje, foi o meu último gole. São 16 anos sem ingerir o primeiro gole. São 5840 dias. Sei que o meu último gole está bem distante, mas o primeiro gole continua na mesma distância de sempre, que é a distância do meu braço. Por isso, meu tempo Sóbrio não me diferencia de quem está começando hoje o plano de não usar, só por hoje. Até porque, eu também estou começando agora mesmo o plano de não usar, SÓ POR HOJE, pois de nada adianta eu passar cento e sessenta mil e cento e quarenta horas e não conseguir passar mais vinte e quatro horas sem ingerir bebidas alcoólicas.
Hoje eu já assisti uma Reunião. Viajei 120 KM para ir coordenar os trabalhos da Comissão Organizadora do Encontro Estadual de Alcoólicos Anônimos. Lá, tomamos refrigerante e saboreamos uns salgados e os companheiros cantaram parabéns pra mim. Trocamos experiências, forças e esperanças. Tudo isso em prol não de mim, mas do alcoólico que ainda sofre.
Hoje eu senti uma alegria imensa por estar desfrutando destes momentos maravilhosos. Mas eu queria muito que esta alegria fosse compartilhada com cada um de vocês que me ajudam diuturnamente.
Queria muito, neste dia, poder estar lá no meu Grupo de ingresso, em Pernambuco, agradecendo aqueles companheiros que me estenderam a mão, justamente na hora em que eu não queria, mas precisava. Queria muito que meu Pai, meu falecido Pai, estivesse aqui em nosso meio, para desfrutar comigo desta minha alegria. Queria muito que aqueles companheiros que já se foram para uma outra vida, soubessem o quanto sou grato pelo que fizeram comigo, me apadrinhando ao longo destes anos todos. Queria muito que meus irmãos estivessem aqui comigo, para poder ver que estou bem melhor por não estar mais usando drogas. Queria muito que minha Mãe estivesse aqui, para poder ir comigo hoje no Grupo...ela que só esteve presente em duas Reuniões durante estes anos em que estou em A.A....e olha que a primeira vez que ela esteve presente foi justamente no meu recebimento de ficha de 2 anos, pois ela ainda demorava a acreditar que eu não voltaria mais aquela vida!
Mas eu tenho que aceitar as coisas que não posso modificar. Tenho que aceitar a realidade de meus dois irmãos mais novos estarem vivendo nas ruas de Recife. Tenho que entender que não posso modificar ninguém....mas posso modificar a mim mesmo, inclusive, posso modificar meus pensamentos e meus sentimentos, ao invés de ficar triste, posso ficar alegre pela Dádiva de mais um dia limpo.
Dia 18 de Setembro também é uma data muito importante para mim, pois foi justamente nesta data que, há exatos 18 anos, eu conheci a mulher com quem convivo até hoje.
Salve 18 de Setembro!
Abração a todos e TAMUJUNTU.

sábado, 17 de setembro de 2011

RECUPERAÇÃO NÃO TEM PREÇO

Estou com alguns dias sem postar aqui e isso tem me deixado um pouco triste, pois minha vontade é de compartilhar cada momento de minha vida com vocês, e também seguir cada blog que acompanho há tempo. Infelizmente estou numa rotina bastante "corrida" e não tive como fazer nada na NET estes dias, a não ser responder email's emergenciais.
Meu amigo foi solto estes dias. Após uns dias de tranca, após fazer os Pais sofrerem um tanto, após fazer os Pais gastarem outro tantão com Advogado, ele prometeu aos Pais que iria para a Clínica, mas quando foi posto em liberdade, já veio com uma outra conversa. O Pai dele me ligou, comunicou o fato, disse que vai tentar controlar ele em casa mesmo, pois não vai mais insistir.
Nós que já temos certa "experiência" na área, sabemos que trata-se de mais uma manipulação. Todo adicto faz isso e faz muito bem, diga-se de passagem!
Ninguém é tão manipulador quanto um adicto na ativa!
Falando de mim, lembro-me o tanto que eu era manipulador. Lembro-me das minhas histórias que eu inventava, tentando chamar a atenção, dando uma de coitadinho. Lembro-me das minhas mentiras, que eram tão grande, tão bem contadas, que até eu acreditava. Isso mesmo! Eu mentia tanto que até eu mesmo acreditava no que eu tinha inventado! Era preciso eu ficar atento pra eu mesmo não cair em minhas próprias mentiras!
Mas meus votos são de que esta Família consiga êxito, que este jovem consiga se recuperar e que tudo volte a ser como era antes, ou seja, uma vida tranquila, sem o drama de envolvimentos com drogas.
Ontem reencontrei um grande amigo, que está Limpo, está participando de Grupos de mútua-ajuda, participando de Igreja, de CAPS AD...ele tá se apegando a tudo que aparece e que seja para ajudá-lo a perrmanecer Limpo, só por hoje. Ele fez um tratamento com uma substância que está sendo utilizada há tempo em tratamento de DQ, a qual eu já fiz até uns comentários sobre a mesma, que é a Ibogaína. Eu conheço várias pessoas que fizeram tratamento com esta substância e estão bem hoje. Aliás, quem quiser mais informação sobre esta substãncia, eu recomendo que faça uma boa leitura no blog de minha amiga Giulli, que é o blog VALEU A PENA - A JORNADA DE UMA CODEPENDENTE.
Na real, na real, não é somente esta substância que é utilizada para DQ, não. Existem outras que também são utilizadas e que estão conseguindo alcançar o resultado esperado e desejado. Eu, particularmente, tenho acompanhado a utilização de outras substâncias que está sendo usada e que tem feito mudanças nas vidas de várias pessoas que acompanho. Os valores para tais tratamento ainda é um pouco "caro", mas quando se trata de saúde, de vidas, isso é uma coisa que não tem preço.
Lembro-me de um certo Pai que, quando eu disse o valor desta substância que o filho dele iria usar, ele simplesmente respondeu: "Rapaz! Isso num é caro, não! Só esta semana eu gastei muito mais de que isso pra tirar ele da prisão! E se fosse pra pagar o dobro, eu só não pagava se eu não tivesse, porque pior é se ele morrer, aí num tem preço!".
Quando a gente quer mudar...quando a gente precisa e quer mudar, fazemos de tudo para que isso seja possível! Quando só temos esta alternativa, é nela que nos apegamos! Não tem nada que seja difícil nem complicado! Quando estamos realmente interessados em sair daquela vida de desgraça, fazemos todo e qualquer sacrifício. Não tem preço que não seja pago para que meu dia permaneça Limpo!
Fico feliz por tanta evolução por parte da área científica, que estuda métodos que possa tratar a DQ, pois é considerada como uma doença incurável, mas que pode ser tratada e como tal, merece toda atenção e dedicação dos estudiosos e pesquisadores.
Que DEUS abençoe a todos!
Abração e TAMUJUNTU.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

CORAGEM!

Hoje eu estou limpo, mais um dia, só por hoje! Graças Ao PODER SUPERIOR!
Passei um final de semana tranquilo, na paz, junto alguns familiares e amigos. Participei de uns eventos de minha Irmandade e desfrutei de maravilhosos momentos!
Infelizmente não estavam perto de mim algumas pessoas que eu gostaria que estivessem.
Sábado, dia 10, foi meu aniversário! Sou grato Ao PODER SUPERIOR por ter tido a Dádiva de completar mais um aninho. Após tantas turbulências que tive na vida, ELE foi (e é) generoso e deu-me a oportunidade de desfrutar de mais um aniversário.
Recebi vários telefonemas e email's. Foram várias pessoas que lembraram de mim, mas confesso que senti falta de falar com meus irmãos mais novos. Há tempos que não falo com eles, pois eles estão na ativa e fora de casa.

Entre alegrias e tristezas, passei o final de semana.
A saudade da família, de Mainha, de meus irmãos..de meu falecido Pai; a lembrança de nossas comemorações em família; os momentos de abrir os presentes quando éramos crianças e brincávamos todos juntos, com os presentes que havíamos ganhos....isso me deixa partido o coração, em saber que neste dia, e hoje, eu não sei onde eles estão, pois só sei que estão nas ruas de Recife/PE, usando drogas e vivendo no Submundo do Sistema.
Tenho que ser forte e saber que não depende somente de mim mudar esta situação. Sei que eles só sairão desta se quiserem, pois não posso fazer o que compete a eles.
Tenho tentado de todas as formas a ajudá-los. Tenho feito todos os esforços possíveis, mas ainda não consegui obter resultados esperados e desejados. Mas sei que tudo tem o seu tempo certo. Se for da Vontade do PODER SUPERIOR, certamente este momento chegará.
Enquanto isso, ficarei fazendo a minha parte.
Continuarei sendo forte, tendo coragem de conviver com esta realidade, sem deixar me abalar muito, pois sei que minha doença é traiçoeira e pode me levar a fatalidade. Minhas comorbidades são sérias e não posso me dar o luxo de brincar com elas, por isso, não posso ficar me preocupando com o que não posso modificar.
Tenho que ACEITAR AS COISAS QUE NÃO POSSO MODIFICAR Quando eu puder modificar algo, tenho que ter o discernimento para modificar de acordo com a Vontade Do PODER SUPERIOR, pois que seja feita a Vontade DELE e não a minha. Mas para isso eu tenho que ter SABEDORIA PARA DISTINGUIR UMA DAS OUTRAS.
Recentemente tenho feito alguns post sobre o meu amigo que a família solicitou a prisão dele. Ele ainda encontra-se preso e agora a Mãe dele está um pouco deprimida, achando-se culpada pelo fato de ter tomado uma atitude errada. Eu estou sempre dizendo que ela agiu corretamente, pois ela não tinha outra alternativa e a atitude dela só veio para ajudar o filho a ter sua integridade física resguardada. Ainda assim, não é fácil para ela ter que entender isso de maneira tranquila. Entendo muito bem o drama que ela está passando, mas, sei que vai passar e que ela vai entender que tomou a atitude certa.
É mesmo muito complicado para os Pais ter que chamar a Polícia para prender seu Filho. Isso requer uma coragem enorme para tomar a atitude coerente, na hora certa.
Sei que existem pessoas que ainda não entendem a real situação desta família em questão, pois existem casos e mais casos e cada um é diferente do outro. Talvez alguém que esteja acompanhando aqui possa imaginar que eles deveriam ter levado o Filho para outro local, mas na cidade que eles moram, não existe outro local. A família já levou ele para outros locais e no momento que chamaram a Polícia, ele estava completamente transtornado, muito violento e agressivo, e a única alternativa foi esta mesmo. Agora ele vai ser encaminhado a uma Clínica e só está dependendo do Juiz, pois foi aberto um Inquérito e não depende mais do Delegado a soltura dele.
Conversando com o Pai dele, eu disse que ele teve muita coragem e cabeça no lugar, pois poderia ter sido pior se caso não tivesse tomado esta atitude. Meu último post eu divulguei uma tragédia onde a Mãe matou seu Filho tentando defender-se dele, pois ele estava violento e tentando agredí-la.
Só sabe o que é isso quem realmente já passou por isso! Quem não passou, não tem nem idéia!
É preciso ter muita, mas muita coragem mesmo para tomar uma atitude desta e ter que encarar seu Filho na cadeia e saber que ele está ali porque você mandou colocá-lo ali. Mas, ao mesmo tempo, sabemos que é uma atitude imediata que é apenas um passo para o início de um outro processo de internação.
Logicamente que eles (os Pais), ao pensar em mandar prendê-lo, teve vários pensamentos que deixava dúvidas se faziam ou não isso. Pensaram na repercussão que isso poderia trazer; pensaram no que o Filho poderia ter que passar na cadeia; pensaram no que poderia causar no Filho; Sentiram medo de ter que fazer isso, mas também estavam com medo do Filho. Mas tiveram CORAGEM e agiram. Agiram prontamente, antes que um pior pudesse acontecer. Agiram com sabedoria, mesmo sendo uma atitude imediatista.
Tiveram CORAGEM e isso não quer dizer que não estavam com medo. Coragem não é a ausência do medo, é sim a capacidade de avançar, apesar do medo. 
Para refletir mais um pouco sobre esta tal CORAGEM, quero aqui trazer uma reflexão sobre a mesma:


Diz uma antiga fábula que um camundongo vivia angustiado com medo do gato. Um mágico teve pena dele e o transformou em gato.
Mas aí ele ficou com medo do cão, por isso o mágico o transformou em cão.
Então, ele começou a temer a pantera e o mágico o transformou em pantera.
Foi quando ele se encheu de medo do caçador. A essas alturas, o mágico desistiu.
Transformou-o em camundongo novamente e disse:
“Nada que eu faça por você vai ajudá-lo, porque você tem a coragem de um camundongo”.
É preciso coragem para romper com o projeto que nos é imposto. Mas saiba que coragem não é a ausência do medo, e sim a capacidade de avançar apesar do medo.

Autor Desconhecido






Quero agradecer muuuuuuito Ao PODER SUPERIOR pela Dádiva de poder desfrutar de mais um 10 de Setembro.
Agradecer a cada um de vocês que estão aqui compartilhando suas experiências comigo, me reforçando a continuar seguindo.
Abração a todos e TAMUJUNTU.