Sejam Bem Vindos!

Quero agradecer, carinhosamente, pela sua visita e espero que possamos continuar partilhando experiências, as quais considero-as importantes para manutenção de minha recuperação.
Sua partilha (comentários) aqui nos Posts, bem como seguir-me quando julgares conveniente, é importante para que possamos estreitar ainda mais a nossa amizade, algo que é fundamental para um crescimento em nível de ser humano...ainda mais quando se trata de um adicto em recuperação, como eu.
Por isso, mais uma vez, muito obrigado por sua presença!
Que bom que você veio! Que bom que você me visitou!
Melhor ainda será ler seus comentários e ver-te aqui, sempre que possível, ajudando-me dia-a-dia.
Que O PODER SUPERIOR continue te concedendo o direito de reconhecer, aceitar e realizar a Vontade DELE, em todas as suas épocas e lugares, para que só assim, possas continuar desfrutando destas Dádivas de renovados dias Limpos, Serenos e repletos de Saúde e Paz!
Abraços e TAMUJUNTU.
Loading...
Loading...

Siga por e-mail

quinta-feira, 14 de julho de 2016

COMO É BOM VIVER SEM DROGAS!

Saudações, meus queridos(as)!

Quanto tempo, heim?

Espero que estejam todos(as) desfrutando de muita saúde e em paz, juntamente com todos que lhes são caro.

Aqui, comigo, tudo tranquilo. Firmeza total. Melhor que isso, vira festa.

Hoje foi dia de Programa A Voz da Sobriedade. O Programa de hoje foi bacana demais. Audiência de várias partes do Brasil e do Mundo. Muita gente interagindo pelo whatsaap e facebook.   Tivemos umas partilhas de familiares de adictos e outra de uma Profissional que palestrou no XXV Encontro de Alcoólicos Anônimos, que realizou-se nos dias 09 e 10 de Julho/2016, na cidade de Santa Inês/MA.  Resumindo, muita gente se identificando com o que mostramos no Programa de Hoje. E isto nos deixa muito feliz em saber que estamos conseguindo transmitir mensagens encorajadoras, de fé, forças e esperanças. Agradeço pelo carinho da audiência de cada ouvinte de nosso Programa.

Dentre as partilhas de nosso Programa de hoje, tivemos a experiência de uma esposa de um adicto em recuperação, onde ela narra sua história de vida ao lado dele quando ainda na ativa, bem como o início da recuperação dele na clínica e nos Grupos de Narcóticos Anônimos. Ela nos conta que o esposo, enquanto estava na clínica, tinha a maior raiva do NA, porque os companheiros de NA iam na clínica no sábado a noite e ele queria dormir, descansar, ficar sem fazer nada, enquanto que tinha que ir participar das reuniões, mesmo contra a vontade dele. "Ele dizia assim: Porra! Esses caras não tem o que fazer em casa, não? Sábado a noite, dia de eu ficar quieto, sossegado, vem esses caras pra cá, pra poder ficar ai alugando a minha ideia. Que coisa chata!" - disse a esposa em sua partilha!

Mas dai, ao sair da clinica, ele resolveu ir numa reunião de NA. "Eu lembro de quando ele chegou em casa, ele olhou pra mim e falou assim: 'É, esse povo é doido.'    Ai eu 'por que? o que aconteceu?'     'Eu cheguei lá, fiz minha partilha, falei, me apresentei quem eu era, falei que eu tinha sido preso, falei um tanto de merda que eu já tinha feito, e ai os caras, na hora do intervalo,

A narração comovente dessa jovem deixou nossos ouvintes emocionados, o que nos foi comprovado em vários áudios e mensagens que recebi via whatsapp, durante e mesmo após o Programa.

Eu, particularmente, quando escutei a partilha desta companheira, me arrepiei todo. Foi como estivesse passando um filme em minha mente. Tudo aquilo que ela narrava era o que eu havia passado num passado que ainda se faz presente em minha mente. Não tive como não me emocionar.

Este casal a quem me refiro hoje vive em paz. Estão em recuperação, tanto ele, quanto ela. Ambos tentam vivenciar o sugerido Programa dos Doze Passos, cada um em sua Irmandade.

E assim são muitas as histórias de superação que ouvimos todos os dias. Fico querendo compartilhar cada história dessa com outras pessoas que ainda sofrem com o mesmo problema, na tentativa de mostrar que é possível, sim, parar de usar drogas, perder o desejo de usar drogas e encontrar uma nova maneira de viver.

Infelizmente ainda há muitas famílias que, em meio a tanto sofrimento, continuam desesperançadas, sem nenhuma expectativas de melhoras, sem nenhuma expectativas de que haja uma saída para esse problemão que estão enfrentando.   E não é para menos.   Só sabe o tamanho da dificuldade de obter uma serenidade convivendo com um adicto, aquele que convive ou já conviveu com um.     Quem nunca passou por essa experiência, não tem nem noção do desespero que é uma mãe ver seu filho morrendo aos poucos por causa das drogas.      Quem nunca passou por essa experiência, não tem nem noção do que seja passar noites sem dormir à espera de notícias do filho ou do marido, nem que seja para dizer que está morto.      Quem nunca passou por essa experiência, não tem nem noção do que é esperar o mês todinho para receber o dinheiro e ao chegar em casa, ter seu dinheiro literalmente roubado por seu filho ou seu esposo e você ter a certeza de que aquele suado vai virar fumaça.    Quem nunca passou por essa experiência, não tem nem noção do que é sair pelas madrugadas, nas ruas mais desertas dos bairros mais afastados, a procura de uma pessoa que você sabe que, mesmo encontrando-a, não vai conseguir trazê-la e volta para casa.         Quem nunca passou por essa experiência, não tem nem noção de quanto dói na alma tentar dar carinho e receber agressões físicas e verbais de um filho que você cuidou com tanto carinho, mas que agora está perdendo aos poucos para as drogas.     Quem nunca passou por essa experiência, não tem nem noção de nada disso que estou dizendo.      Quem nunca passou por essa experiência, não faz ideia do drama de uma família quando descobre que "fulano" voltou a beber ou a usar drogas, após certo tempo de sobriedade.        Quem nunca passou por essa experiência, não tem nem noção do quanto vale um dia limpo com um familiar que você ama!

É bom demais a gente ver essas histórias de superação, como a que foi narrada pela nossa companheira, como as tantas outras que ouvimos todos os dias nas salas dos grupos de mútua ajuda, seja para adictos ou para codependentes.

E se você que está neste momento lendo isto e gostaria de saber um pouco mais sobre "como funciona", basta procurar um grupo em sua localidade.

Se você tem problemas com drogas, procure Narcóticos Anônimos. (clica aqui e encontre um Grupo de NA mais próximo de você).

Se você tem problemas com álcool, procure Alcoólicos Anônimos. (clica aqui e encontre um Grupo de A.A. mais próximo de você).

Se você tem algum familiar que tem problemas com drogas, procure NAR-ANON. (clica aqui e encontre um Grupo de NAR-ANON mais próximo de você).

Se você tem algum familiar que tem problemas com álcool, procure AL-ANON. (clica aqui e encontre um Grupo de AL-ANON mais próximo de você).

Se você é familiar de adicto, também pode buscar ajuda no Amor Exigente. (clica aqui e encontre um Grupo de Amor Exigente mais próximo de você).



Finalizo, desejando que todos(as) estejam bem e consigam encontrar a paz e a serenidade que é possível desfrutar, vivendo sem drogas e vivenciando os Doze Passos.

Lembrando que todas as quartas-feira, estamos ao vivo e em tempo real, das 11:00hs ao meio dia (horário de Brasilia/DF), com o nosso programa "A Voz da Sobriedade".

Para acompanhar nosso programa, basta acessar um dos link:






Eu continuo sendo o Júnior, um adicto limpo, só por hoje.

Forte abraço a todos(as)!

Bons momentos e TAMUJUNTU.

quinta-feira, 31 de março de 2016

I SEMINÁRIO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE DANOS - BACABAL/MARANHÃO.

Saudações, meus queridos(as)!
Todos na paz?

Espero que estejam desfrutando de saúde e muita alegria, juntamente com todos os que vos cercam.
Aqui, comigo, posso dizer que estou bem.

Apesar das turbulências que a vida nos trás, estou conseguindo manter o foco em minha recuperação, mantendo o equilíbrio emocional, mantendo a serenidade e tendo aceitação.

Hoje eu participei de um evento maravilhoso, que foi o I SEMINÁRIO MUNICIPAL SOBRE REDUÇÃO DE DANOS, na cidade de Bacabal/MA.

Tivemos participação do Poder Público, das Secretarias de Saúde, Ação Social, CREAS, CRAS, representante do Judiciário, representante do Centro POP, representantes de ONG's e movimentos LGBT's, Comunidades Terapêuticas, Instituições Religiosas, representante regional da ABORDA (Associação Brasileira de Redução de Danos), etc.

Eu tive o privilégio de ter uma participação nas temáticas abordadas e aprendi bastante com tudo o que foi debatido no evento. Creio que foi um momento importante para o município, pois foi elaborado uma série de eventos e compromissos que irão levantar o Conselho Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas e suas atividades.

A cidade de Bacabal/MA hoje amanheceu de luto, pois três crianças morreram eletrocutadas, vítimas de uma "armadilha" que o vizinho fez na cerca, colocando eletricidade na mesma e essas crianças brincando, se aproximaram dela e levaram uma descarga elétrica. Morte imediata. A população revoltada ateou fogo na residência. (Veja mais em Blog do Sérgio Matias)

Por ironia do destino, uma destas crianças é filho(a) de um casal que foram presos semana passada, acusados de tráfico de drogas. O Juiz responsável pela Vara de Entorpecentes, Dr. Jorge Antônio, justo o Juiz que teve hoje participando do Seminário, baseado numa Lei que, segundo ele, "quando o agente for imprescindível aos cuidados especiais de pessoa menor de 6 (seis) anos de idade, o juiz deverá substituir a prisão preventiva do acusado pela prisão domiciliar". Com isso, ele concedeu o habeas corpus e deferiu a prisão domiciliar para a mãe de uma dessas crianças.

Na segunda feira passada, a mídia local caiu em cima da decisão do Magistrado, por ele ter solto a acusada de tráfico de drogas. A imprensa dizia que o Juiz devia ter sido mais rígido e ter deixado-a presa.

Hoje, durante o Seminário, ele teceu comentários sobre o assunto e disse: "Fui severamente criticado pela mídia local, pelo fato de ter feito o que diz a Lei. Ela tinha aos seus cuidados um filho menor e eu dei a medida que julguei cabível." E desabafou: "Agora vocês imaginem se eu deixo essa mulher presa!? Eu deixei ela em casa e o filho morreu eletrocutado. Se eu deixo ela presa, a mídia iria cair em cima de mim dizendo que se eu tivesse soltado-a, ela estaria cuidando do filho e isto não teria acontecido".

Uma situação complicada aos olhos e entendimentos da sociedade e, mais complicada ainda, é todo este contexto que envolve as drogas, o consumo de drogas e a dependência às mesmas.

Na próxima quarta feira, o referido Juiz de Direito, Dr. Jorge Antônio, estará relatando melhor este episódio e outros assuntos, em nosso Programa "A Voz da Sobriedade", que vai ao ar ao vivo e em tempo real, para o Brasil e para o mundo, através de nossos portais na internet.

Você pode acompanhar essa entrevista, acessando um dos links abaixo e também pode participar do programa, mandando sua pergunta ou compartilhando sua experiência, enviando seu áudio para nosso whatsapp +55 99 98434-0121.

Para quem ainda não tem conhecimento, é o seguinte:



O programa "A Voz da Sobriedade" é um programa que aborda Legislação e Políticas Públicas Sobre Álcool e Outras Drogas, Redução de Danos, Modalidades Terapêuticas, Grupos de Mútua Ajuda, Tratamento e Recuperação para Dependentes Químicos, Codependência, etc,

Atenção para nosso horário: acabando o horário de verão, nosso programa que era das 12:00hs as 13:00hs em horário de Brasilia, agora é das 11:00hs ao meio dia. (Na verdade, aqui no Nordeste sempre foi este horário. Esta informação é para as pessoas que estão fora do Nordeste do Brasil e que estavam acompanhando nosso programa em horário de verão do Distrito Federal).

Seguem os links do programa:


Importante ressaltar que, embora os sites sejam relacionados à religião católica, o Programa "A Voz da Sobriedade" é totalmente independente e não está ligado e/ou relacionado a nenhuma religião, nem aborda assunto religioso.

Para acessar o Programa, clicar no ícone da rádio São Francisco.

Sintam-se a vontade em nos prestigiar com vossa audiência!


Programa "A Voz da Sobriedade". Um momento de informação e reflexão para o enfrentamento das dependências.

Vida que segue, né?

Como já havia dito inicialmente, as turbulências da vida tem tentado me abalar, balancear minha rotina e meu equilíbrio emocional, mas tenho entregado, sem reservas, minhas vontades e minha vida aos cuidados Do Poder Superior, pois somente ELE é capaz de manter-me bem, mesmo diante de todas as dificuldades da vida.

Esse fim de semana eu tive uma notícia bem louca. Uma de minhas filhas, que tem 19 anos, me ligou e disse que tinha uma notícia triste para me dar. Eu achei que ela tivesse engravidado. Quando perguntei se era isso que ela queria de falar, ela disse: "Não, Pai! Antes fosse isso! É pior que isso."

Tensão maior ainda. Firme e forte, (achava eu), perguntei: - E o que é pior que isso, minha filha?
Ela respondeu: "Pai, o Fábio está envolvido com drogas. Está usando e vendendo drogas!".

Fui noutro mundo e voltei. Vi o quanto sou frágil. Necessito estar diuturnamente entregando minha vida aos cuidados Do Poder Superior, pois somente ELE pode me sustentar.

Fábio, a quem ela se refere, é um de meus filhos, que é irmão dela. Ele vai completar 18 anos no próximo dia 09/04/16. Ele tem vontade de servir ao exército e sempre conversamos sobre isso.

Quer dizer, agora nem sei mais o que ele quer na vida.

Este garoto, que conhece bem minha história, que sabe o que eu passei, que viu a mãe dele ser assassinada por ter envolvimento com um traficante, ainda vai se envolver com drogas!

Eu não era casado com a mãe deles. Tivemos um relacionamento extra-conjugal e tivemos eles.

Tempos depois de terminarmos nosso envolvimento, ela se relacionou com um cara que tinha envolvimento com drogas e, posteriormente, se envolveu em dívidas de drogas. Os traficantes foram cobrar a dívida e essa jovem foi entrar na frente e tentar impedir que os caras o matasse. Resultado: o marido dela correu e ela foi alvejada por vários tiros.

Na época, eu quis tomar as providências e isso nem quero tecer comentários aqui. Meu propósito aqui é comentar o fato que hoje está acontecendo. Meu filho de 18 anos, que sofreu pela perda da mãe por causa de drogas e ainda vai se envolver com drogas.....é foda!

Estou aqui me programando para ir em Recife. Quero conversar com ele pessoalmente e ver o que posso fazer. Preciso, o quanto antes, ter iniciativa.

Possa ser que seja apenas o uso experimental, mas possa ser que seja o início de uma vida infernal.

A notícia de que ele está envolvido com tráfico, pelo que apurei, parece-me que estava vendendo lança perfume. Não sei bem o que está rolando, mas preciso saber. E isso não consigo fazer a distância.

Esse é o preço que pago por ter filhos distantes de mim. Mas, nem por isso, fujo de minha responsabilidade. Farei o que for preciso para evitar que ele passe pelo que eu passei.

Manter o equilíbrio emocional é uma tarefa que requer muita recusa dos instintos naturais. Não é fácil ver, aceitar e conviver com situações onde vai de encontro com suas vontades ou opiniões.

Aceitação é bem mais que não questionar ou ir de encontro com situações que não desejas ou concordes. Aceitação é respeitar e entender que o "venha a nós o vosso reino" é um pedido nosso atendido para que "seja feita a Sua Vontade".

Serenidade é estado de espirito. Serenidade não é teoria. É preciso um conjunto de atitudes nossas para que nossa paz interior exteriorize-se e emane energias positivas àqueles que nos rodeia.

Serenidade é neutralizar seu "eu" interior para que nada, absolutamente nada neste mundo, possa ser capaz de tirar sua alegria e felicidade.

E nada disso pode ser descrito como verdadeiramente é, pois espiritualidade não se descreve... Espiritualidade se vive!

Bons momentos a todos e TAMUJUNTU.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

ALEGRIA! SOMENTE ALEGRIA!

Alegria! Alegria! Alegria!

Bom estar aqui novamente nesse espaço nosso, onde sou compreendido e aceito, apesar de minhas diferenças, encontro meus iguais.

Desejo que todos estejam em paz e com saúde.

Eu estou maravilhosamente bem. Claro que problemas eu tenho, porém, ao contrário de antes, consigo encará-los de frente e resolvê-los. Antigamente eu não tinha problemas... Eu era o problema!

Carnaval passou... Quarta feira de Cinzas chegou... E para muitos, foi realmente cinzas...   ...cinzas do cigarro para fumar uma pedra...   ...cinzas na cremação...   ...e tem aqueles que hoje estão só as “cinzas”, acabados, arrasados, frustrados por terem acabado com tudo nesses poucos dias de festas. Aliás, nem sei se posso chamar isso de festas. Festas para mim tem outro significado.

Pois bem!
Muitos fizeram planos para “brincar” o carnaval e acabaram sendo vítimas de usuários de drogas.
E quando eu falo de usuário de drogas, não crie expectativas de que eu esteja falando daquele sujeito que vive jogado nas ruas ou daquele que vive usando drogas dia e noite, dias após dias.
Negativo!
Estou falando de usuário de drogas e não de dependentes químicos.

Muitas pessoas de bem, que nem usam drogas, foram vítimas de outras pessoas também de bem, mas que estavam drogados!

Daí vocês me perguntam: - Mas como uma pessoa que estava drogada pode ser considerada uma pessoa de bem?

Eu explico!
Existem pessoas de bem que tomam uma ou duas cervejinhas. E álcool é droga! – Simples assim.

Tem muitas pessoas de bem que bebem e, em algumas vezes, exagera um pouco no consumo e acabam fazendo besteira. Agridem esposas ou filhos; ficam violentos; perdem noção do tempo e são imprudentes no trânsito; dormem ao volante, etc.

E essas pessoas, que são pessoas do bem, acabam vitimando outros inocentes, como aconteceu em várias partes do mundo nesse período de carnaval. Eu, particularmente, presenciei fatos dessa natureza. Infelizmente presenciei acidentes, agressões e mortes.

Eu digo nesse período de carnaval, mas isso normalmente acontece toda época do ano. Apenas nessa época é bem maior o índice desses registros.

Eu estava acompanhando uma entrevista com o Diretor de um Hospital na capital do Piauí e ele disse que, das mais de 1000 entradas durante o período de carnaval, 92% tinha relação com bebidas alcoólicas. Isso é um número alto demais!

Com esse tal de “crack” em evidência, parece que todo o foco de políticas públicas sobre drogas está voltado a essa substância. Entretanto, outras substâncias também vêm destruindo nossa gente e pouco se fala no assunto. Ninguém faz nada! Governo muito menos se importa, afinal, está arrecadando bilhões à custa dos dependentes químicos. Cigarro é outra droga nociva e tem causado milhões de mortes/ano e o Governo também não se importa, pois também arrecada bilhões à custa dos dependentes químicos dessa substância.

Também não estou aqui para falar desse Governo. Não merece nem minha atenção, muito menos ibope. (Respeito os que não concordam).

Estou aqui para falar de mim, de minha recuperação, de meu dia limpo hoje, de minha vida que hoje tem sentido.

Só por hoje, meu sentimento é de muita alegria!
Alegria! Alegria! Alegria!

Alegria por mais um dia de vida e por esse dia ser um dia sóbrio.
Alegria por mais um indulto diário, sem necessidade de me drogar.
Alegria por ter recuperado a sanidade.
Alegria por estar conseguindo fazer as coisas certas.
Alegria por respeitar o direito dos outros.
Alegria por ter tolerância diante de uma situação onde não aceito.
Alegria por ter aceitação com as coisas e pessoas que não posso modificar.
Alegria por saber que não preciso ser deus e não preciso controlar o mundo. Posso viver e deixar as pessoas viverem.
Alegria por não me culpar por um de meus irmãos optar viver nas drogas.
Alegria por meus outros irmãos estarem vivendo sem drogas.
Alegria por ter conseguido novas amizades e alegria por que as antigas “amizades” não me fizeram de “arquivo morto”.
Alegria por essa liberdade de ir e vir.
Alegria por ter dezenas de padrinhos com quem posso partilhar meu dia e meus problemas e ser compreendido.
Alegria por ter dezenas de afilhados para compartilhar fé, forças e esperanças.
Alegria por poder ir à sala (ao grupo), ser grato pela minha recuperação e levar adiante a mensagem de que é possível parar de usar, perder o desejo de usar e encontrar uma nova maneira de viver sem drogas.

Enfim, minha vida hoje é somente alegria.

Como eu disse, problemas eu tenho até demais. Porém, problemas se resolvem. O que eu tenho que fazer é apenas continuar no meu propósito de não usar, haja o que houver.

E, continuar voltando.
Voltando à sala. Voltando aqui para partilhar com vocês. Voltando a viver o programa sugerido dos doze passos. Voltando a ser eu mesmo, aquele sujeito que eu nem lembrava mais quem era, pois eu vivi por muitos e muitos anos sendo outra pessoa.

Lembro-me que uma vez eu fiquei me questionando: “Como será que eu sou sem drogas?”.   Daí me veio logo a resposta: - “Ah! Não quero nem pensar nisso. Eu nunca vou parar de usar isso mesmo! Isso é bom demais!”.

Mas DEUS age de forma misteriosa na realização de suas maravilhas!

De forma misteriosa, consegui aceitar minha impotência perante as drogas e admitir que minha vida estava desgovernada.

De forma misteriosa comecei a ver as drogas como algo maléfico e não benéfico, como antes entendia.

De forma misteriosa consegui passar minhas primeiras 24 horas sem beber, mas ainda usando drogas, até que parei com tudo.

Isso não é mérito meu. Somente Um Poder Superior a mim pode ter me ajudado a conseguir isso.

Eu que era ateu e atoa, totalmente anticristo, comecei a aceitar que realmente havia ALGUM PODER maior que eu. Comecei a entender que milagres aconteciam, pois eu era um milagre. Parei de relutar contra isso e apenas deixei as coisas acontecerem.

Confesso que ainda não tenho religião (e nem entendo que preciso). Busco apenas espiritualidade. Busco O Poder Superior em SUA magnitude. Busco ELE para minha vida.

Mas também não quero falar hoje de religião e nem de DEUS.

Vou ficando aqui com minha alegria e espero que estejam todos bem, com muita saúde e que a sobriedade vos seja uma constante.

Lembrando que nosso programa “A Voz da Sobriedade” continua no ar, todas as quartas feira e sua participação é importante.

Para quem ainda não tenho conhecimento, é o seguinte:

O Programa "A Voz da Sobriedade" é um programa que aborda Legislação e Políticas Públicas Sobre Álcool e Outras Drogas, Redução de Danos, Modalidades Terapêuticas, Grupos de Mútua Ajuda, Tratamento e Recuperação para Dependentes Químicos, Codependência, etc.



O Programa vai ao ar todas as quartas feira, das 12:00hs às 13:00hs (horário de Brasília), e é transmitido ao vivo e em tempo real pela internet através de cinco portais.

Participem conosco, interagindo pelo whatsapp +55 99 98434-0121, mandando depoimentos, enviando informações, compartilhando experiências, etc.

Segue os links do programa:


Importante ressaltar que, embora os sites sejam relacionados à religião católica, o Programa "A Voz da Sobriedade" é totalmente independente e não está ligado e/ou relacionado a nenhuma religião, nem aborda assunto religioso.

Para acessar o Programa, clicar no ícone da rádio São Francisco e o acesso é apenas pelo google chromer.

Sintam-se a vontade em nos prestigiar com vossa audiência!

Programa "A Voz da Sobriedade". Um momento de informação e reflexão para o enfrentamento das dependências.

Por hoje é só.
Breve estarei aqui novamente.
Agradeço pelo carinho e pelas visitas aqui em nosso espaço virtual.

Um forte e carinhoso abraço desse adicto em recuperação, limpo, só por hoje.

Bons momentos a todos!

TAMUJUNTU.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

NOS CASTELOS DA LIBERDADE!

Olá, pessoal!

Espero estar encontrando todos desfrutando de muita saúde e paz, ao lado de todos os que vos cercam.

Por aqui, tudo na paz, na tranquilidade, maior alegria, só felicidade!

Se bem que há sempre uns contratempos, mas nada que impeça-me de esbanjar alegria e estar sempre grato por tudo. Afinal, minha alegria e minha felicidade não dependem de fatores externos ou circunstâncias. Só depende de mim!

Mais uma vez fiquei esses dias sem postar nada. Caramba! Que feio isso, Júnior!
Sempre me pego com esses pensamentos de cobrança à mim mesmo.

Entretanto, prefiro zerar o contador e só por hoje compartilhar aqui minha gratidão para com a vida, para com vocês, para com O Poder Superior, para com minha família, para com meus funcionários, para com meus clientes, para com todos.

Essa semana, por ocasião de uma reunião presencial em um dos grupos que participo, fiz a leitura da reflexão do dia. Ela falava de liberdade. Liberdade “de” e liberdade “para”.

Após concluir a leitura para os presentes, houve uma interpretação do texto da literatura. Foi aí que meus pensamentos foram longe!

Fiquei por horas “castelando” em minha vida pregressa, em meu passado de ativa, em minhas insanidades, em minha obsessão impiedosa que me levada à loucura, em minhas terríveis compulsões, em minhas terríveis ressacas física e moral, em minhas derrotas para o álcool, em minhas tentativas de usar drogas controladamente, em minhas mentiras, minhas manipulações, minhas noites acordadas “virando bicho”, minhas dormidas pelas calçadas e em baixo do viaduto, em minhas relações sexuais desenfreadas, desprotegidas e pervertidas, em minhas noites e dias nas celas de delegacias e penitenciárias, em minha família que sofria ao ver o meu mundo se acabando e eu acabando o mundo de outras famílias, em minhas justificativas de alegar que minha vida não tinha sentido e tinha que viver daquele jeito e tinha que morrer daquele jeito.

Enfim, me veio em mente tudo aquilo que eu vivi no submundo do sistema. Parece que foi um filme de 10 anos que se passou em 10 segundos, mas com a nitidez e o poder de sentir a real sensação e presenciá-la, que nem filmes em 3D conseguiria fazer.

Quando me dei por mim, estava olhando fixamente para o teto da sala. Ouvi por alto alguém partilhando e atentei para o que ele dizia. Voltei para reunião sem nem mesmo ter saído dela. Mas eu estava ali somente a matéria, pois o pensamento estava longe.

Foi quando comecei a compreender melhor ainda a leitura.

Liberdade “de” e Liberdade “para”.
A liberdade da escravidão das drogas, do medo das pessoas, do medo da polícia, do medo de ser rejeitado, do medo do fracasso, etc. E também a liberdade para ser eu mesmo, sem ter que fingir ser outra pessoa, liberdade para expressar minha opinião sem ter que a impor, liberdade para experimentar a paz de espírito; liberdade para crescer espiritualmente; liberdade para sair na porta da rua sem temer os olhares espantosos ou revoltosos dos vizinho; liberdade para sentar numa calçada e de costas para rua, sem temer nenhuma represália; liberdade para caminhar sem me esconder de ninguém; liberdade até mesmo para exercer qualquer ato de cidadania, como participar de um processo eleitoral ou tirar uma documentação, sem temer ser identificado e recolhido; liberdade para participar de qualquer atividade recreativa ou festiva, sem ter a necessidade de me drogar, etc.

Como é bom essa liberdade! Como é bom ser livre!

Sei que isso é apenas um indulto diário e que depende da manutenção de minha condição espiritual. Por isso, eu farei qualquer coisa para que eu possa continuar recebendo esse indulto diário e continuar evitando o 1º gole, o 1º uso, a 1ª insanidade, a 1ª tentativa de controlar os outros, etc.

Isso vem funcionando comigo e também com outros milhares de adictos que conseguem ser honesto consigo mesmo e que praticam o programa “só por hoje”.

Vem chegando ai o carnaval!
Para mim, é apenas uma época qualquer. Hoje, sim, é uma época qualquer. Antigamente, carnaval era sinônimo de período de curtição. Se bem que minha vida toda foi de curtição. Mas no carnaval eu tornava os dias ainda mais loucos. Eram dias e mais dias acordados, usando, “aprontando”, vivendo à margem da Lei, causando pânico na sociedade, arriscando a minha vida, etc.

Hoje eu vejo diferente. Hoje eu acompanho de longe a folia.
Se bem que vez ou outra vou acompanhar os blocos. O Galo da Madrugada, pos exemplo, eu não costumo perder. Minha terra querida, Recife, tem o melhor carnaval do Brasil e do mundo. Conheço o carnaval de vários outros Estados, mas o de Pernambuco é incomparável. Brinca o Galo da Madrugada é “massa” demais. Mesmo assim, quando estou no Recife nessa época de carnaval, não caio na folia como antes. Apenas acompanho os blocos e até pulo um pouco, mas atento para tudo, principalmente para os foliões mal intencionados.

Enfim, quero deixar aqui meus votos de que tenham todos um excelente carnaval, com muita alegria, muita paz, sem violência, sem drogas, sem acidente.

Aqueles que buscam manter-se abstêmio às drogas, seria interessante buscar um grupo em sua localidade, pois nessa época, normalmente alguns grupos realizam eventos de carnaval e outros tem sua programação estendida durante todo o dia, ficando de portas abertas dia e noite nos dias de carnaval.

As comemorações de final de ano levou muitos adictos à recaírem e esses dias de carnaval não vai ser diferente. Tenho certeza de que muitos não conseguirão chegar “limpo” na quarta feira de cinzas. Aliás, alguns nem conseguirão chegar nem vivo na quarta feira de cinzas. Achando que vão aproveitar bem mais usando drogas, alguns perderão a vida. Infelizmente essa é a realidade!

Claro que eu também estou sujeito à não chegar vivo na quarta feira de cinzas. Aliás, eu estou sujeito a não chegar vivo nem mesmo amanhã, pois quem é vivo é mortal. Porém, não ponho mais minha vida em jogo, usando drogas e vivendo perigosamente.

Espero que vocês também estejam com o mesmo propósito de não usar drogas. Independente de ser ou não período de carnaval, minha vigilância é dobrada e redobrada, pois minha vida hoje tem sentido e eu valorizo cada segundo de liberdade que tenho.

Só por hoje, não quero e nem pretendo perder a Dádiva da recuperação.
                                                                  
Pessoal!
Não se esqueçam de acompanhar o nosso Programa “A Voz da Sobriedade”.



Se você ainda não acompanhou, fique ligado, que toda quarta-feira temos programa ao vivo, das 12:00hs às 13:00hs, (horário de Brasília/DF), através dos portais abaixo:


Participe conosco! Deixe seu recado e compartilhe sua experiência. Mande mensagens para nosso whastapp +55 99 98434-0121. De já, agradecemos o carinho de sua audiência!


Um forte abraço a todos e que DEUS continue nos abençoando grandemente.

Eu continuo sendo o Júnior, um adicto em recuperação, limpo, só por hoje.

TAMUJUNTU.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

DIA 09 DE DEZEMBRO - DIA DO ALCOÓLICO RECUPERADO

Bom dia, meus queridos(as)!
Tudo bem com vocês?
Eu estou maravilhosamente bem, com saúde e, milagrosamente, sóbrio, só por hoje!


Aliás, hoje é o dia do alcoólico recuperado. Dia 09 de dezembro é comemorado esta data aqui no Brasil, com o intuito de reforçar o tratamento desta terrível doença chamada alcoolismo.

Uma data que celebra a vitória de quem consegue se manter abstinente da dependência do álcool, que é uma droga lícita e de fácil acesso, considerada a mais vendida no mundo todo e a que mais afeta a população mundial.

Apesar de ser uma doença (fato confirmado pela Organização Mundial da Saúde - OMS), o alcoolismo ainda não tem cura, mas há controle.

Segundo especialistas, nem sempre quem bebe demais é um alcoólatra. "O dependente é aquele que pretende beber um determinado tanto, mas não consegue parar", explica o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, especialista em dependência química.

Fica aqui nosso reconhecimento e nossa gratidão para todas essas instituições, Irmandades, ONG's, associações e todos os profissionais que lidam com o tratamento do alcoolismo.

Então, para quem está em recuperação, "limpo" e sóbrio "só por hoje", nossos parabéns pelo seu dia!

Quero compartilhar com vocês um texto que achei bem legal, escrito pelo Jackson Hartmann e divulgado no blog do querido amigo Misael Barbosa, VENCENDO O ALCOOLISMO.


CONSCIÊNCIA ALCOÓLICA !
Por : Jackson Hartmann
Hoje o álcool não brinca mais com a minha cabeça, não comanda mais os meus atos e definitivamente não desvirtua as minhas vontades.
Não condeno ninguém que faz uso da felicidade instantânea trazida dentro de uma garrafa de Johnnie Walker, ou do charme de um bom vinho e até mesmo de uma cerveja bem gelada.
Mas eu te digo meu amigo, quando perceber que você já ultrapassou os limites do prazer e adentrou no território da dependência, por favor, ligue o sinal de alerta.
Divirta-se, curta bem sua vida, não deixe de brindar os bons momentos. Mas tenha a consciência de que o álcool é uma linha tênue entre o orgasmo transitório e o câncer social.
Eu já bebi até cair, já tive muitas ressacas, fiz coisas que não me lembrei, agi de forma inesperada inúmeras vezes e não me arrependo. Porém hoje eu sei que tive foi é muita sorte, pois saí ileso da minha fase alcoólica, se quer um conselho amigo, comece a prestar mais atenção.
Se puder beber e continuar de boa, beba, mas se você precisar reduzir, reduza e se chegar ao extremo de ter de parar, então pare.
Você ainda precisa estar no comando da sua própria vida, você precisa tomar suas decisões, e não a bebida.

Finalizando, quero lembrar que hoje é dia de nosso programa "A Voz da Sobriedade". Portanto, logo mais estaremos ao vivo e em tempo real para o mundo inteiro, através de nossos portais na internet.

E, como sempre, hoje teremos um programa cheio de novidades, partilhas e experiências bem interessantes.
Acompanhem! Participem!

Para quem ainda não acompanhou nosso programa, segue abaixo os links que transmitem ao vivo nosso programa.

wessenbom.blogspot.com.br
www.paroquiasantanabacabal.com.br
www.diocesadebacabal.org.br
www.saofranciscodaschagas.com.br

Cabe aqui dizer que, embora os links sejam, em sua maioria, de igrejas, mas o nosso programa não tem ligação com nenhuma religião e nem tão pouco falamos do assunto.
Portanto, nosso programa é totalmente independente e aborda apenas assuntos ligados a dependência química.

Fiquem a vontade em participar conosco, enviando suas experiências como adicto ou como codependente, ou mesmo sua experiência profissional de trabalhar com dependentes químicos, ou ainda qualquer outra informação que julgues interessante compartilharmos no programa.

Nossos contatos: +55 99 98434-0121 / +55 99 98151-9727
E-mail: treinamento.consultoria@hotmail.com
Skype: juniorsouzarecife

Um forte e carinhoso abraço a cada um de vocês e até o nosso próximo encontro.

Eu continuo sendo o Júnior, um adicto em recuperação, limpo, só por hoje.

TAMUJUNTU.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

UMA OLHADA PELO RETROVISOR.

Bom dia, pessoal lindo do meu coração!


Espero que estejam todos em paz, desfrutando de muita saúde, sobriedade e serenidade, junto aos que lhe são caro.

Aqui, comigo, tudo conforme a Vontade do Poder Superior.

Nesta postagem de hoje quero aqui trazer para vocês, um sentimento que desfrutei este fim de semana.

Aliás, nem tem como descrever aqui tal sentimento. Foi algo que senti. Apenas senti, como nunca havia sentido antes.  E sabemos que existem sentimentos indescritíveis... E este foi um!

Mas contarei aqui o fato e acredito que, com vossas sensibilidades, também desfrutarão o mesmo.


Tudo aconteceu no sábado (21/11/2015), por volta das 20:30hs.

Eu saí para resolver uma situação e deparei com um cidadão, morador de rua, que estava deitado as margens da rodovia federal que corta a cidade.

Ele estava completamente embriagado, todo sujo, visivelmente enfermo (com outras enfermidades além do alcoolismo) e com seus pertences (um monte de sacolas plásticas, uma bolsa e uma vara de madeira) recolhidos junto a ele.

Também havia ao seu lado, uma pequena garrafinha de cachaça, a qual estava com a maior atenção do mundo para que não a tirassem dele.

Gritava ao vento palavras impossíveis de compreender, devido ao seu avançado estado de embriagues.

Todos os que passavam pelo local, olhavam aquela cena admiradamente, sem que nenhuma atitude solidária lhes fossem possível.



 Com seus olhares assustados e repugnados, desviavam e afastavam se do cidadão, como que ali tivesse uma placa "PERIGO! MANTENHAM-SE AFASTADOS!".




Ao me deparar com aquela cena, automaticamente olhei no retrovisor e parei. 

Não estou me referindo ao retrovisor do veículo, mas ao meu retrovisor, aquele que olho meu passado bem próximo de mim.

Me vi direitinho naquela cena.

Era como se fosse eu quem estivesse ali deitado, rolando pelo chão. Era como se fosse eu quem estivesse ali embriagado, louco e perdido dos sentimentos.

Não hesitei em encostar e puxar uma conversa.
Mas, infelizmente, seu estado entorpecido e alucinado impossibilitou um diálogo. Estava muito louco (e pode até ter outros problemas além da dependência química).

Não sei se foi por esse motivo que as pessoas não se aproximaram, mas foi por vê-lo em meu passado e por me ver no seu presente, que parei e fiz a minha parte, para reforçar meu indulto diário e aquela cena não ser o meu futuro.

Não tenho palavras para expressar minha alegria e minha gratidão pela sanidade que me foi devolvida, pelo meu dia limpo, pela minha vida hoje não ser mais aquele inferno da adicção ativa.

O interessante é que eu até comentei com certa pessoa que estava ao meu lado na hora da abordagem, de que eu vivia daquele mesmo jeito e essa pessoa não acreditou e disse para eu não falar aquilo nem de brincadeira.

Então, mais uma vez, eu falei que não era brincadeira e que realmente eu era daquele jeito, que fui morador de rua, que havia perdido o domínio de minha vida e que eu gostava de viver daquele jeito, loucamente.

Recebi um olhar assustador e verdadeiramente não sei qual mudança poderá haver daqui pra frente.

Mas essa é a verdade de minha vida e jamais esquecerei meu passado.

Nasci em uma família com uma pequena condição financeira, tive boa educação, tinha tudo que uma criança poderia e gostaria de ter, boas escolas, etc, mas ao me envolver com as bebidas alcoólicas e com as outras drogas, abandonei tudo, inclusive o lar, justamente para viver sem que ninguém tentasse controlar minha vida.

Alguns períodos eu vivia aprontando, cometendo crimes e mais crimes e sempre tinha dinheiro para gastar como quisesse. Outros períodos eu me entregava completamente ao álcool, que foi uma das piores drogas que usei. Essa me levava às sarjetas, às calcadas, ao mais profundo fundo de poço.

Quando eu estava sem usar bebidas alcoólicas e usava outras drogas, eu fazia "meus corres" e sempre era muito perigoso à sociedade. Muitas insanidades e periculosidade numa só pessoa. Mas quando eu estava fazendo uso de bebidas alcoólicas, sempre me embriagava e era um tremendo "vacilão".     Nem mesmo os meus comparsas queriam andar comigo.    É tanto que todas as vezes em que fui preso, estava sempre embriagado. Nunca fui preso sem estar embriagado, mesmo fazendo as mais absurdas atrocidades.

De todas as formas, minha vida era um verdadeiro inferno!
Viver nas ruas, nas "quebradas", um dia aqui, outro dia ali, é loucura demais!
Andar catando lixo para mendigar uma dose ou entrar num banco e colocar um "oitão" na cabeça de alguém para levar dinheiro ou a vida, isso pra mim, hoje, é tudo a mesma loucura!

Por isso, hoje, só por hoje, eu faço qualquer coisa para permanecer em recuperação.

E trabalhar com meus iguais me ajuda bastante. Reforça muito o meu propósito de viver "limpo!" um dia de cada vez.

E somente eu sei o que senti ao ver aquela cena que narrei acima.
Somente eu sei o que senti dentro de mim!

Meus olhos vêem cada adicto, cada morador de rua, de uma maneira bem diferente do que a maioria das pessoas vêem. Enquanto uns olhavam (e olham) de forma assustada, os meus olhos derramam sangue.
Ali vive um pouco de mim!
Sou eu quem ainda vive ali.

Só existe uma diferença entre eles e eu.   É que eu não usei drogas hoje, mas isso não quer dizer que esteja garantido de não usar. Afinal, nada que eu faça pelo meu dia "limpo" hoje, garante o meu dia "limpo" amanhã.

Cada dia é um dia em que tenho um indulto diário, o qual está condicionado com a manutenção de minha sobriedade. Sabemos que a liberdade condicional requer a obediência à algumas normas, caso contrário, a perde.

E tudo o que eu mais quero e mais preciso hoje, é ter esse indulto diário.
Só por hoje, não usarei drogas, haja o que houver!

Mas para isso, farei qualquer coisa que me livre daquela obsessão impiedosa dessa sutil, frustadora e poderosa doença, que é a dependência química.

Finalizo aqui minhas palavras agradecendo Ao Poder Superior por mais este Milagre em minha vida no dia de hoje.

Agradeço, também, a cada um de vocês que me ajudam constantemente, com suas palavras de conforto e segurança.

Agradeço a cada e-mail, mensagens, telefonemas e partilhas que recebo todos os dias.

Agradeço a cada recadinho deixado no nosso whatsapp, ajudando-nos a fazer o nosso Programa A Voz da Sobriedade.

Falar nisso, quero aqui agradecer, carinhosamente, a minha amiga Poly, do blog Amando Um Dependente Químico, que teve participação conosco em nosso programa passado e alegrou muitos familiares com a experiência compartilhada.

Valeu, Poly, pela sua participação! Sei que ainda estou de débito contigo, pois tenho que te mandar as mensagens que nos foram enviadas e recadinhos diretamente para você. Aliás, tem perguntinhas que gostaria que você respondesse para esse programa de quarta feira.


Para quem ainda não acompanhou nosso programa, segue abaixo os links que transmitem ao vivo nosso programa A Voz da Sobriedade.


Cabe aqui dizer que, embora os links sejam, em sua maioria, de Igrejas Católicas, mas o nosso programa não tem ligação com nenhuma religião e nem tão pouco falamos do assunto. Portanto, nosso programa é totalmente independente e aborda apenas assuntos ligados a dependência química.

Fiquem a vontade para participar conosco, enviando sua experiência como adicto ou como codependente, ou mesmo sua experiência profissional de trabalhar com dependentes químicos, ou qualquer outra informação que julgues interessante compartilharmos no programa.

Nossos contatos: +55 99 98343-0121 / +55 99 98151-9727
E-mail: treinamento.consultoria@hotmail.com

Um forte e carinhoso abraço a cada um de vocês e até o nosso próximo encontro.

Eu continuo sendo o Júnior, um adicto em recuperação, "limpo", só por hoje.
TAMUJUNTU.