Sejam Bem Vindos!

Quero agradecer, carinhosamente, pela sua visita e espero que possamos continuar partilhando experiências, as quais considero-as importantes para manutenção de minha recuperação.
Sua partilha (comentários) aqui nos Posts, bem como seguir-me quando julgares conveniente, é importante para que possamos estreitar ainda mais a nossa amizade, algo que é fundamental para um crescimento em nível de ser humano...ainda mais quando se trata de um adicto em recuperação, como eu.
Por isso, mais uma vez, muito obrigado por sua presença!
Que bom que você veio! Que bom que você me visitou!
Melhor ainda será ler seus comentários e ver-te aqui, sempre que possível, ajudando-me dia-a-dia.
Que O PODER SUPERIOR continue te concedendo o direito de reconhecer, aceitar e realizar a Vontade DELE, em todas as suas épocas e lugares, para que só assim, possas continuar desfrutando destas Dádivas de renovados dias Limpos, Serenos e repletos de Saúde e Paz!
Abraços e TAMUJUNTU.
Loading...

Siga por e-mail

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

DE 24 HORAS EM 24 HORAS É QUE SE ETERNIZA UMA SOBRIEDADE!

Saudações, meus amados!

Como é bom poder entrar novamente em contato com todos vocês!

Espero que estejam todos desfrutando de muita saúde e paz, juntamente com todos os que vos cercam.


Hoje amanheci com o propósito que tem feito toda uma diferença em minha vida, há exatos 18 anos. Amanheci com o propósito de ficar sóbrio, só por hoje.


Foi justamente no dia 18 de setembro de 1995, numa segunda-feira, que entrei pela primeira vez numa sala de um grupo de mútua ajuda. 

Naquela noite, escutei partilhas que, misteriosamente, fizeram-me continuar voltando para escutá-las. Identifiquei-me pra caramba com meus iguais. Escutei várias pessoas me dizer que eu era a pessoa mais importante daquela noite. Logo eu, que não tinha importância alguma pra ninguém, estava sendo tratado como se todos já me conhecessem há tempos. Quer dizer, nem sei se seria bem esse termo a ser usado : “como se já me conhecesse a tempo”, pois eu era bastante conhecido pela má fama de viver no submundo do sistema. Mas quando eu disse que fui tratado “como se já me conhecesse a tempo”, estou querendo dizer que recebi atenção de pessoas que nunca haviam me visto e que dedicaram tempo e se dispuseram a me ajudar.

Hoje, dezoito anos após aquela primeira reunião, me sinto tão bem, tão feliz, tão agradecido pela vida que tenho. Sou imensamente grato a todos os que sempre estiveram juntos, me apadrinhando para que eu pudesse continuar voltando.

Lembro-me de todas as fases de minha caminhada em recuperação. Lembro-me quando me disseram, assim que cheguei, que eu iria encontrar situações difíceis, mas que por mais difíceis que elas fossem, seria mais fáceis de que se eu voltasse a usar.

Lembro-me que um de meus padrinhos de Serviço disse que eu iria encontrar pessoas que mereceriam “descontos” e que eu estivessem sempre disposto a dar estes “descontos”. Até hoje, sempre que alguém ou algo tenta me tirar do sério, lembro-me dele e acabo dando um belo “desconto”. Dou um desconto de 50% e ignoro metade do que me foi dito. Quando, mesmo assim, ainda continuo com mágoa ou ressentido, dou um desconto de 80% e tento compreender que é uma pessoa que, assim como eu, tem seus defeitos e imperfeições.  E quando mesmo assim ainda continuo ressentido, eu dou logo 100% de “desconto” e o torno um “amigo vip”. Ignoro logo tudo. Faço de conta que não é ninguém.

Foi (e é assim) que continuo permanecendo nas salas,  fazendo parte deste fantástico legado de serviço que é a base para manutenção de minha recuperação.

Ao longo destes 18 anos, muitos passaram pelas portas do grupo. Poucos ainda continuam voltando. Alguns até que conseguiram manter-se sóbrio, mas por motivos terceiros, deixaram de participar. Uns tornaram-se religiosos. Outros simplesmente estão em casa.

Mas, infelizmente, parte dos que passaram, não conseguiram manter-se em recuperação e nem conseguiram manter-se vivo. Morreram prematuramente.

Assim que ingressei, assisti algumas comemorações por tempo de sobriedade contínua. Achava incrível como se comemoravam por não beber, não usar... Eu estava acostumado a comemorar justamente bebendo e usando.

Alguns diziam que os nove meses era a fase mais difícil. Hoje eu sei que mais difícil foi eu ter chegado vivo à sala. Hoje eu sei que completar um ano sóbrio, completar dois anos sóbrio, cinco anos sóbrio, dez anos sóbrio, etc... Tudo isso só é possível se eu conseguir completar um dia sóbrio. De nada adianta completar 18 anos sóbrio e não conseguir passar mais 24 horas sóbrio.

Por isso, eu vivo intensamente o meu momento agora. Este exato momento é que eu posso escolher se quero desfrutar de alegrias ou de tristezas.

Neste exato momento eu posso optar por estar agradecendo pelas coisas que a vida me dá, até mesmo pela vida em si.... Ou posso estar me reclamando dela, me lamentando por algo que é tão pequeno em comparação da grandeza de estar vivo.

É neste exato momento em que eu decido minhas emoções, controlo meus sentimentos, os quais podem ser bons ou ruins. A escolha é toda minha. Portanto, farei uma boa escolha. Aproveitarei para acreditar o quanto sou especial para DEUS e o quanto ELE me ama, por dar-me a Dádiva de mais um dia de vida!

Só consegui completar esses 18 anos sóbrio, pela minha obediência aos princípios espirituais do sugerido programa de recuperação, contido nos Doze Passos.

Ficarei com estas poucas palavras, esperando que elas seja o suficiente para expressar o meu agradecimento a cada um de vocês, por existir em minha vida, por estarem sempre presentes, trazendo suas palavras de conforto e segurança. Agradeço de coração pela ajuda que tenho recebido ao longo deste período em que nos conhecemos. Agradeço profundamente aos meus padrinhos de passos, de serviço, por tudo o que fizeram e continuam fazendo por mim.

Agradeço em especial ao meu Pai... Meu saudoso Pai, que me levou pela primeira vez numa sala. Ele que caminhou comigo por longo período, levando-me diuturnamente nas reuniões. Sou feliz por ter conhecido a sala em Recife-PE, onde tem reuniões manhã, tarde e noite. Havia dias que assistíamos cinco reuniões. Como aquilo contribuiu para que eu continuasse voltando!

Como eu queria que meu Pai estivesse aqui para tomar um refrigerante comigo, nesta data tão especial em minha vida!

Pra mim, eu comemoro mais esse 18 de setembro, de que o dia 10 de setembro, que foi o dia que eu nasci.
Pra mim, meu nascimento é na data de hoje.

Ficarei com estas palavras e digo mais uma vez: Muitíssimo obrigado a todos vocês por estarem juntos comigo, em todos os meus momentos.

Obrigado, PODER SUPERIOR, pelo milagre de minha recuperação!

Que O PODER SUPERIOR continue iluminando cada um de vocês!





Bons momentos, repletos de Serenidade, Sabedoria e Sobriedade.
Até o nosso próximo contato.

Continuo sendo o Júnior, um adicto em recuperação, Limpo, só por hoje!

Abração e TAMUJUNTU.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

TERÇA, 10/09/1974 => TERÇA,10/09/2013



Amanhecia o dia 10 de Setembro de 1974. Justamente uma terça feira, assim como hoje. O Registro diz que eram 07:30hs da manhã quando, já no terceiro dia de internação, certa senhora dava a luz ao seu primeiro filho, o qual já começava a dar trabalho antes mesmo de vir ao mundo.

Recebia ele o mesmo nome do pai que, muito alegre, comemorava com os “amigos”, regado de muita bebida alcoólica. Não sabia que ali começava um ciclo viciante que vinha a destruir toda aquela família que iniciava sua formação.

Com poucos anos de idade, aquela criança já tinha seus primeiros contatos com a bebida alcoólica, pois o pai tinha uma visão de que, como ele mesmo dizia: “Tem o mesmo nome do pai, tem que ser homem igual ao pai!”. Daí colocava os primeiros goles de bebidas alcoólicas para aquela criança ingerir.

Foi assim por longo período, até que um dia, o tirano álcool já era causa de grandes contendas e conflitos naquela família, que agora era formada de quatro filhos. Veio a separação daquele casal que outrora juraram viver “até que a morte os separe”. De fato, a morte veio. Mas quem morreu foi o sentimento maior, aquele capaz de manter unido um casal, uma família.

Em consequência da separação, outros problemas surgiram e problemas que haviam recém começado, tomaram proporção sem controle. Agora aquela criança já fazia uso periódico de bebidas alcoólicas e outras drogas, e havia ingressado no ‘submundo do sistema’. Havia começado um novo ciclo destruidor para aquela família já destruída pelo alcoolismo daquele pai. Agora eram pai e filhos dependentes químicos.

Trinta e nove anos se passaram até aqui. Muitas histórias tristes e marcantes fizeram parte daquela pessoinha que veio ao mundo num dia como o de hoje. Coisas absurdas, aos olhos da sociedade. Coisas hediondas aos olhos do Judiciário. Talvez coisas imperdoáveis aos olhos do Poder Superior.

A Dádiva de mais um amanhecer é motivo de muita alegria para todos nós. Às vezes não atribuímos o merecido reconhecimento e valor por sermos merecedores destas Dádivas, mas a cada novo dia que nos é dado, deveríamos ser tão grato como sendo nosso maior presente. Principalmente àqueles(as) que viveram (e/ou vivem) perigosamente, no ‘submundo do sistema’, altamente insano, usando drogas, destruindo a própria vida e a vida daqueles que os cercam (e as vezes até mesmo daqueles que não convivem por perto, mas que aparecem pelo caminho, seja como eventualidade ou propositalmente).

Infelizmente aquele pai não está mais neste mundo para dizer: “parabéns, filhão!”, como ele gostava de falar. 

Infelizmente aquela mãe está bem distante para abraçar, mas um telefonema já confortou e suavemente alegrou o coração agradecido.

Infelizmente alguns irmãos estão largados pelas ruas, morrendo aos poucos, num suicídio lento e que leva a família junto.

Infelizmente os filhos(as).... Ah, os filhos(as)!!!!  Nem todos tem contato frequente para dizer: “Parabéns, Painho!”.

Os amigos... Estes aparecem e são “presentes” mesmo quando estão ausentes.

Para quem acreditava que já havia vivido demais e que já estava fazendo ‘horas extras no mundo’, hoje minha postagem vai a agradecimento ao Poder Superior por mais um novo amanhecer. Por mais um dia de vida. Por mais estas renovadas 24 horas com saúde e tranquilamente em paz com todos. Pela família que tenho ou que tive, sei lá... Pelos amigos(as). Por todas as coisas que passei, pois foram elas que me fizeram chegar até a data de hoje, consciente dos erros e disposto a repará-los quando necessário e oportuno. Enfim, sou imensamente grato por mais esta data em minha vida.

Se bem que eu comemoro bem mais meu aniversário de sobriedade, de que de nascimento. Falar nisso, tá chegando a data... Faltam apenas oito dias.

Enfim,  Parabéns a mim mesmo pelo meu aniversário!

Bons momentos a todos vocês, com muita Serenidade, Sabedoria e Sobriedade.

Até o nosso próximo contato.

Continuo sendo o Júnior, um adicto em recuperação, Limpo, só por hoje!

Abração e bons momentos.
TAMUJUNTU.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

UM MUNDO SEM DROGAS....SERÁ POSSÍVEL?

É incrível como a desinformação daqueles que mais deveriam estar informado, ainda gera contradições diante de um assunto tão evidente, como a questão das drogas e suas consequências. Ou então, são apenas mais um dos “figurantes do submundo do sistema”, tentando “cobrir o sol com a peneira”, tentando acalmar parte da população que ainda sonha com um mundo menos violento, sem drogas e sem criminalidade.



Participando de um debate sobre “Drogas e Criminalidade na Sociedade de Hoje”, promovido por uma entidade religiosa, percebi, mais uma vez, o quanto estamos longe de obtermos resultados capazes de promover ações preventivas eficazes ao uso e abuso de drogas e, principalmente, repreensivas ao tráfico de drogas.

Participou do mesmo um Promotor de Justiça; um Juiz da Vara da Infância e da Juventude; um Clérigo; uma Assistente Social; um Diretor de uma Instituição Penal; uma Psicóloga; um Deputado Estadual e representante de outros segmentos da sociedade que se fizeram presentes em plenária.

Durante o debate, números foram apresentados e alguns nem mais surpreende, pois já vemos tantas notícias que nem nos impressionamos mais. Vídeos com histórias que até já sabemos o final. Depoimentos de familiares que também já conhecemos todo o enredo. Pesquisas informativas recentes, as quais uma hora dessas já está defasada, pois os números modificam-se a cada instante. Enfim, esperávamos que tal debate tivesse um efeito de discutir maneiras onde pudéssemos desenvolver algo que realmente trouxesse resultados esperados e desejados no tocante ao tema e não apenas um debate informativo, como parecia ser inicialmente. Porém, o que chamou a atenção, pelo menos a minha, foi a colocação por parte dos que ali usaram a palavra, na intenção de mostrar métodos, maneiras, planos, projetos ou algo parecido, para acabar com as drogas e a criminalidade no mundo. Sinceramente, me impressionei com a visão de alguns que ali se fizeram presentes.

Não pretendo aqui dizer que estão certos ou errados pelo que pensam e/ou esperam do futuro. Até mesmo porque eu também gostaria que realmente o futuro fosse como foi colocado, mas acho que devemos trabalhar com a realidade, ou seja, com “os pés no chão”.

Estou falando isso, pois em algum momento do debate, falou-se sobre um futuro sem drogas, sem violência, sem criminalidade, resultante de uma política antidrogas aplicada severamente e com um trabalho realizado por todos, não somente pelo poder público. Falou-se da possibilidade de num futuro bem próximo, termos nossos filhos numa geração sem drogas, após um trabalho de repreensão ao tráfico. Falou-se, ainda, que temos uma estrutura frágil para o trabalho de reinserção social, mas que o usuário que realmente quer ser reinserido, não depende dessa estrutura.

Eu, por alguns instantes, fiquei ali me questionando: - Será mesmo que tudo isso é possível?   -Será mesmo que é tão simples assim?     -Será mesmo que um dia teremos um mundo sem drogas?   - Será que a criminalidade realmente acabará?   -Será que teremos mesmo nossos filhos numa geração onde não haverá mais nem bebidas alcoólicas?   (Sim, bebidas alcoólicas, pois álcool é drogas).       –Se o usuário, o dependente químico, o criminoso, não dependem de nenhuma estrutura para reinserção social, por que, então, se preocupar em fazer trabalho de rede???

Como eu gostaria de ver um mundo assim, como se sonha. Mas, infelizmente, a realidade é outra. Infelizmente isso não está perto de acontecer. Pode até acontecer e eu torço por isso, mas não num futuro bem próximo, como foi colocado.

Vivemos num mundo onde a cada dia se cria uma nova droga. Todos os dias, a toda hora, mais pessoas começam a consumir alguma droga. Vivemos num mundo onde quem está no poder é quem mais se interessa pelo errado, pelo ilícito. Os que vendem drogas não passam de simples traficantes. Os que realmente ganham com isso, uma hora dessas não estão nem muito preocupados com repreensão ao tráfico, combate ao narcotráfico, ou coisas parecidas. Eles sabem que nada vai impedir a circulação livre de substâncias ilícitas. Até mesmo por muitos deles estar no poder, daí tamanha facilidade de inserir as drogas no País, na sociedade, etc.

Falo com precisão. Falo por experiência própria. Eu vivi por longos anos no “submundo do sistema”, onde quem “comandava” a organização, era uma Desembargadora do TJ. Junto a ela, havia outras pessoas “fortes” na sociedade, principalmente no judiciário.

Também na unidade prisional onde fui recluso, havia grande facilidade de receber drogas lá dentro, através dos agentes penitenciários e de policiais que faziam a guarda da cadeia.

Conheço parlamentares que estão altamente envolvidos com o narcotráfico. A lavagem de dinheiro é outra forma criminosa que não se tem controle.

Daí, dizer que temos possibilidade de num futuro bem próximo, e com uma atual política sobre drogas totalmente ineficaz, termos um mundo sem drogas, sinceramente, eu não acredito.

O debate abordava também a questão da criminalidade, principalmente aquelas correlacionadas com as drogas. Mas não foi lembrado que hoje temos uma vasta tipificação de crimes onde pouco se relaciona com as drogas. Tipo assim... Só se relaciona crimes à consequência das drogas, se for assassinato, assalto, roubo, etc...   Esquecem-se, por exemplo, de que grande parte destes crimes de hackers está ligada a usuários de drogas.

Enfim, fiquei impressionado como algumas pessoas ainda não caíram na real de como as drogas e a criminalidade estão altamente interligadas e assolando a humanidade e que não será essa ou aquela política sobre drogas que irá resolver o problema. Acho que agora a hora é de tentarmos, pelo menos, diminuir os impactos que elas estão causando em nosso mundo. Tentar, pelo menos tentar, fazer com que os que estão no poder, utilizem de seus deveres e obrigações, de fazerem o certo, o correto, aplicando merecidamente as verbas destinadas à causa, onde verdadeiramente é preciso, deixando de lado a corrupção, a ambição pessoal e toda forma ilícita de ganhos pessoais.

Entretanto, jamais conseguiremos isso num País onde os que foram julgados, condenados, sentenciados, estão no Parlamento, fazendo as Leis que regem nosso País.

Bons momentos a todos vocês, com muita Serenidade, Sabedoria e Sobriedade.
Até o nosso próximo contato.
Continuo sendo o Júnior, um adicto em recuperação, Limpo, só por hoje!
Abração e bons momentos.

TAMUJUNTU.