Sejam Bem Vindos!

Quero agradecer, carinhosamente, pela sua visita e espero que possamos continuar partilhando experiências, as quais considero-as importantes para manutenção de minha recuperação.
Sua partilha (comentários) aqui nos Posts, bem como seguir-me quando julgares conveniente, é importante para que possamos estreitar ainda mais a nossa amizade, algo que é fundamental para um crescimento em nível de ser humano...ainda mais quando se trata de um adicto em recuperação, como eu.
Por isso, mais uma vez, muito obrigado por sua presença!
Que bom que você veio! Que bom que você me visitou!
Melhor ainda será ler seus comentários e ver-te aqui, sempre que possível, ajudando-me dia-a-dia.
Que O PODER SUPERIOR continue te concedendo o direito de reconhecer, aceitar e realizar a Vontade DELE, em todas as suas épocas e lugares, para que só assim, possas continuar desfrutando destas Dádivas de renovados dias Limpos, Serenos e repletos de Saúde e Paz!
Abraços e TAMUJUNTU.
Loading...

Siga por e-mail

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

FELIZ NATAL! FELIZ ANO NOVO! FELIZ VIDA NOVA!




Olá, meus queridos(as) companheiros(as)!
Que alegria vê-los por aqui novamente!
Venho aqui agradecer a cada um de vocês por mais um ano que passou, por mais essa ajuda que vocês me deram, pelas palavras de carinho e conforto, pelas trocas de experiências, pelas horas em que passamos no telefone, Skype, Facebook, etc... Agradeço pela oportunidade que me deram de conhecer-lhes um pouco mais, principalmente aqueles que tive a honra de conhecer pessoalmente.
Meu muito obrigado a cada um de vocês, pois sei que sozinho, não sou ninguém.
Aproveito para pedir sua companhia neste ano que se inicia. Que possamos continuarmo juntos, pois minha caminhada é para toda vida.
Muitos planos para este ano que se inicia. Posso dizer que, dentre eles, conhecer pessoalmente alguns de vocês, pois a experiência que tenho a cada encontro é, simplesmente, fantástica.
Eu desejo pra você e toda sua família, um Natal cheio de Paz e Amor.
Desejo-lhes Harmonia e Prosperidade.
Não por ser uma época festiva e que simbolize algo Religioso, mas por sermos irmãos e tentarmos viver esse amor incondicional.
Desejo-lhes Fé, Forças e Esperanças. Desejo-lhes Serenidade para aceitar as coisas que não podemos modificar. Desejo-lhes discernimento para reconhecer a Vontade Do Poder Superior em relação à nós. Desejo-lhes Aceitação para entender o "Seja Feita a Vossa Vontade e Não a Nossa!"... Desejo-lhes Sabedoria para Vivenciar a Vontade dEle em todas as épocas e lugares. Desejo-lhes que o perdão vos seja uma constante e que nada e nem ninguém possa vos tirar o brilhos de seus olhos. Mas que se mesmo assim tiver de brilhar, que seja de Felicidade. Que lágrimas venham... Mas de emoções. Que 2014 seja um Ano realmente Novo em nossas vidas. Que vocês possam conquistar tudo aquilo que almeja. Que seus sonhos se tornem realidade!
E por estar desejando um Feliz Ano Novo, não estou me referindo apenas a virada de ano. Meus votos são para que você e sua família sejam felizes hoje e sempre!
"E que a paz que excede todo o entendimento, guarde os vossos corações e os vossos pensamentos".

Para aqueles que estão passando pelo drama de viver drogado ou de conviver com um usuário de drogas, vos deixo um excelente vídeo, para que possam acreditar que existe vida após as drogas. É a primeira produção de trabalhadores de saúde na oficina de formação em audiovisual do Ponto de Cultura e Saúde Ventre Livre (Porto Alegre/RS). O curta fala sobre a vida de pessoas em busca de autonomia, esperança e cuidado para superarem o vício das drogas. Ótimo vídeo para discussão sobre álcool e drogas. 

Click aqui para assistir o vídeo: Pedras no Caminho

Eu continuo sendo o Júnior, um adicto em recuperação, limpo, só por hoje.
Abração.
TAMUJUNTU.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

"...MAS QUEM SOU EU PRA FALAR DE QUEM CHEIRA OU QUEM FUMA?..."

Saudações a todos!

Após um tempinho sem postar aqui, novamente cá estou compartilhando minha alegria em poder dizer que continuo no mesmo propósito de não usar drogas, só por hoje, um dia de cada vez.

Novamente não tenho palavras para expressar tamanha felicidade em poder desfrutar de um novo amanhecer, principalmente pelo mesmo ser livre daquelas tremendas ressacas e doses de ressentimentos da noitada anterior.

Agradeço ao Poder Superior por mais um dia de vida, por esse dia ser tão especial, ao ponto de estar aqui com vocês, neste cantinho onde posso compartilhar minhas experiências, forças e esperanças, onde irei ser compreendido e onde me identifico com cada um de vocês.



Hoje quero falar aqui um pouquinho sobre minha condição de aceitar o meu familiar usando drogas.

Talvez poucos aqui saibam, mas tenho familiares que fazem uso e abuso de drogas. Tenho irmãos que, literalmente, moram nas ruas. Vivem nas ruas de Recife-PE. Também tenho outros familiares que estão na ativa e vivem pelo mundão, completamente “rodados”.

Quando eu estava na ativa, eu vivia do mesmo jeito ou até pior que eles estão vivendo hoje. Minha adicção às drogas me levou ao extremo limite do possível e até mesmo do impossível, no que diz respeito às condições (des)humanas, em todos os seus conceitos moral, ético, social, espiritual, etc.

Tornei-me um ser extremamente diferente do que a sociedade normalmente costuma ver em episódios envolvendo dependentes químicos. Talvez seja por isso que especialistas insistem em afirmar que, independente de se tratar de usuários de drogas ou não, existem pessoas extremamente desequilibradas e que seus comportamentos não tem nada relacionado com o uso de drogas. Personalidades (organização dinâmica dos aspectos cognitivos, afetivos, fisiológicos e morfológicos do indivíduo) cada um tem a sua.

Com isso, e com todo um histórico de insanidades que tenho, aprendi a me relacionar com meus iguais de uma maneira igualitária. Confesso que, logo quando entrei no processo de recuperação, foi difícil isso para mim. Mas com o passar do tempo, fui entendendo a necessidade de entregar tudo nas mãos do Poder Superior. 



Logicamente que primeiro tive que vir a acreditar nesse Poder Superior, pois eu era um ateu e atoa. Rejeitava qualquer idéia de que existia Deus ou Poder Superior. Somente após reconhecer que, por motivos maiores que os meus e vontades alheias às minhas, eu estava sem usar drogas, foi que comecei a ver que algo estranho estava acontecendo em minha vida e que isso realmente era um “milagre”. Então comecei a acreditar que “milagres” existem, pois eu sou um.  Conseqüentemente, comecei a acreditar num Poder Superior.

Não é fácil aceitar que um familiar nosso esteja se desgraçando nas drogas e que nós não possamos fazer absolutamente nada, sem que esse familiar se prontifique a também fazer algo.



Não é fácil ver um familiar nosso acabando com sua vida e consequentemente com a nossa e termos que ficar com aquela sensação de impotência, como se estivéssemos de mãos atadas.

Não é fácil passar pelas ruas e ver seu irmão (filho, marido, namorado, esposa, sobrinha, etc) largado nas calçadas ou praças, como se não tivesse família.    Não é fácil ver seu familiar em baixo de um viaduto, deitado ao sereno das madrugadas, coberto com um papelão molhado de álcool de posto, derramado após uma disputa de dois embriagados por uma dose.

Não é fácil ter que assistir seu familiar mendigando nas ruas do bairro onde nasceu e se criou; numa localidade onde todos sabiam do carinho e dedicação dos pais ou demais familiares, para cuidar, educar, acolher e o tornar cidadão de bem, mas que chega uma porra de uma tal de “droga” e o rouba de seu leito familiar, tirando toda aquela formação e educação até então recebida.

Não é fácil comprarmos coisas para nossa casa e depois darmos conta que, literalmente, virou fumaça.

Não é fácil ir visitar nosso familiar uma cadeia. Não é nada fácil enterrarmos nosso familiar o qual perdemos para as drogas.

Não é nada fácil aceitar que estamos perdendo uma parte de nossa família de uma maneira tão trágica, como é ter um familiar dependente químico. Não é nada fácil aceitar nossa impotência perante nosso adicto e entender que, por mais que nos dispusemos a ajudá-lo, ainda assim, nossa ajuda se torna mínima, quando não há uma aceitação por parte de nosso adicto. O que podemos e até devemos fazer, é cuidar de nos tratarmos, pois estamos tão doentes quanto ele, sob uma codependência.

Eu comecei a ter uma melhor qualidade de vida no que diz respeito aos meus familiares, quando comecei a respeitar as escolhas. Comecei a entender que eu também havia feito aquela escolha e não importava a ninguém o que eu queria para minha vida. Nunca me preocupei com o que os outros iriam pensar ou falar de mim. Nunca me preocupei com as conseqüências de minhas insanidades. Não existia respeito aos meus pais nem muito menos as Leis. Minha arma carregada era o meu deus e foda-se todo mundo!  Tirar sangue alheio era tão emocionante quanto era aplicar cocaína em minha corrente sanguínea. (Se você, leitor(a) nunca atirou em alguém ou nunca injetou cocaína nas veias, jamais poderá entender quanta ênfase eu dei ao termo “emocionante”). Trocar tiros era tão adrenalizante quanto participar de uma troca de corda num batizado de capoeira. O estampido de um tiro era tão excitante quanto sentir uma mulher gemendo ao meu ouvido. Massacrar era minha arte preferida. Drogar-me era imprescindível para minha sobrevivência. Nunca me importei sob quais condições estava vivendo: se sob o conforto de uma vida regada pelo tráfico de drogas ou sob o total desconforto de um confinamento de um regime de reclusão. Nunca me importei se estava sentado numa cadeira de praia ou no banco do réu. Tanto fazia se eu estava nos meus “melhores” dias, quando de minha atividade “profissional” no crime organizado, ou se na sarjeta, nas ruas, pela conseqüência de minha dependência às drogas. O que importava era que eu queria ser o mais doido, o mais maluco e o mais drogado.



E por ser portador de uma doença também comportamental, tenho que ser vigilante a essas questões que ainda hoje me cercam, pois eu conjuguei o verbo no passado, mas confesso que se tivesse conjugado no presente, não estaria mentindo. Confesso que em muitas destas situações acima, infelizmente ainda as tenho com a mesma visão, ou seja, ainda as acho emocionante, adrenalizante, excitante, do mesmo jeito. Ainda bem que não acho imprescindível me drogar. Mas tenho que me atentar para não continuar dizendo: "Meu estilo é pesado e faz tremer o chão, minha palavra vale um tiro eu tenho muita munição. Na queda ou na ascensão minha atitude vai além, e tenho disposição pro mal e pro bem..."  (Racionais MC's)

É assim que muitos hoje estão vivendo e eu tenho que respeitar suas escolhas. É assim que meus irmãos estão vivendo e eu tenho que respeitar as escolhas deles.

Eu até posso fazer algo por eles, como de fato tenho feito: estou sempre me colocando à disposição para ajudá-los, mas da forma mais coerente, pois da forma mais emotiva, quem se prejudica sou eu.

Afinal, diante do meu histórico, “mas quem sou eu pra falar de quem cheira ou quem fuma?”

Entendo que o momento de cada um chegará. Se não chegar o momento de parar em vida, chegará o momento de parar com a morte. Disso eu não tenho dúvidas. Somente espero que todos tenham a mesma Dádiva que eu estou tendo. Viver como eu vivi e conseguir sair é realmente um verdadeiro milagre.

Sou apaixonado por leitura e músicas. Algumas delas me fazem voltar ao tempo. Outras me fazem refletir. Já outras...

Quero aqui fechar com um trecho de uma música de RACIONAIS MC’s. Essa música serve tanto para quem está na ativa e de repente passou aqui em meu blog, quanto para quem está com um familiar fazendo uso/abuso de drogas. Lembremos de que “eles são nossos irmãos também”.



“Ei Brown, sai fora! nem vai, nem cola.
naum vale ah pena da ideia nesse tipo ai 
ontem ah noite eu vi na beira do asfalto 
tragando ah morte, soprando ah vida pro alto 
oh os cara! soh o pó,pele e osso 
no fundo do poço, mó flagrante no bolso 
veja bem, ninguém eh mais que ninguém 
veja bem, veja bem e eles são nossos irmãos também.
pá de cocaina e crack, whisky e conhaque 
os mano morre rapidinho sem lugar de destaque 
mas quem sou eu pra falar de quem cheira ou quem fuma? nem dá 
nunca te dei porra nenhuma...
voce fuma o que vem, entope o nariz 
bebe tudo que vê, faça o diabo feliz"

Um forte e carinhoso abraço a todos e que o Poder Superior, em Sua infinita bondade, nos conceda o direito de reconhecer, aceitar e realizar a Sua Vontade em todas as nossas épocas e lugares, para que só assim, possamos ser merecedores de Suas Dádivas, como saúde, paz, serenidade e sobriedade.

Eu continuo sendo o Júnior, um adicto em recuperação, Limpo, Só Por Hoje.

TAMUJUNTU.