Sejam Bem Vindos!

Quero agradecer, carinhosamente, pela sua visita e espero que possamos continuar partilhando experiências, as quais considero-as importantes para manutenção de minha recuperação.
Sua partilha (comentários) aqui nos Posts, bem como seguir-me quando julgares conveniente, é importante para que possamos estreitar ainda mais a nossa amizade, algo que é fundamental para um crescimento em nível de ser humano...ainda mais quando se trata de um adicto em recuperação, como eu.
Por isso, mais uma vez, muito obrigado por sua presença!
Que bom que você veio! Que bom que você me visitou!
Melhor ainda será ler seus comentários e ver-te aqui, sempre que possível, ajudando-me dia-a-dia.
Que O PODER SUPERIOR continue te concedendo o direito de reconhecer, aceitar e realizar a Vontade DELE, em todas as suas épocas e lugares, para que só assim, possas continuar desfrutando destas Dádivas de renovados dias Limpos, Serenos e repletos de Saúde e Paz!
Abraços e TAMUJUNTU.
Loading...

Siga por e-mail

domingo, 18 de setembro de 2011

18 DE SETEMBRO

Era justamente um 18 de Setembro, assim como hoje, e uma hora dessa eu estava sentado numa mesa de bar, ingerindo bebidas alcoólicas, sem uma menor perspectiva de vida. Quer dizer, naquele dia, eu estava programando mais uma "fuga-geográfica", pois eu havia aprontado umas "paradas" em Recife-PE e tinha "sujado", então, tinha que "lavrar" dali o mais rápido possível. E como parte do plano, resolvi tentar pegar uma grana com meu Pai, que nestas alturas morava em Olinda-PE e eu acabara de ir pela primeira vez em sua nova residência, após muito tempo que ele morava lá.
Interessante foi que, ao encontrar o apartamento onde ele morava, eu não subi para falar com ele. Fiquei em um barzinho em baixo do prédio e, de repente, chega um cidadão, me cumprimenta e diz: "Rapaz! Plena segunda-feira e você tomando cachaça uma hora dessa! Ainda mais sem tiragosto, só com esse confeito (balinha)! eu vou pegar um tiragosto pra você!
Eu disse que não precisava. Ele saiu. Logo voltou com uns pedaços de galinha num guardanapo. Eu insisti que não queria, pois realmente eu não gostava de comer enquanto bebia, e com apenas um confeito (uma balinha), eu tomava litros e mais litros de cachaça. Eu tinha mania de quebrar o confeito em pedacinhos e a cada gole, eu colocava um pedacinho na boca.
Quando aquele homem chegou, que colocou o tiragosto sob a mesa, eu disse-lhe: "Meu brother! Não precisava, não! Mas eu tô ligado que tu tá afim é de tomar uma. Senta aí e toma uma!".
Ele simplesmente respondeu: "Não! Não! Eu já tomei a minha conta!".....E retirou-se.
Isso era por volta de umas 15:00hs. Eu continuei me drogando até que, por volta de umas 17:30hs, eu resolvi subir e reencontrei o meu Pai. Pedi dinheiro para beber mais e ele me disse que poderia até me dar uma garrafa de cachaça, mas só se eu fosse assistir com ele uma Reunião de A.A..
De imediato, eu recusei. Não era a primeira vez que ele me convidava e eu recusava. Então ele disse que eu deveria procurar outro lugar para aprontar, porque ele não estava querendo mais passar vergonha por causa de minhas insanidades.
Sem discutir, eu aceitei ir nessa tal Reunião, só mesmo para ganhar a garrafa de cachaça.
Ali começou toda uma articulação dele para me levar à um Grupo onde eu pudesse me identificar, pois eu era jovem, com 21 anos de idade, era usuário de outras drogas, era ateu, não acreditava em DEUS, e tudo isso ele levou em consideração para que eu fosse levado a um Grupo onde eu me sentisse a vontade. É tanto que, naquele dia, que era uma segunda-feira, havia um Grupo que funcionava pertinho do apartamento que eu morava no Recife, porém, além de eu não querer voltar no Recife, porque tava "sujo" lá meu setor, tinha outro detalhe, que era do Grupo funcionar numa Igreja e eu não entrava em Igrejas há um bom tempo. Então, tinha que me levar a um outro Grupo e ainda bem que em Pernambuco existem vários Grupos funcionando no mesmo dia e horário, em locais diferentes.
Mas aí veio a hora de ir a Reunião. Quando descemos do apartamento, um carro nos esperava. Era o padrinho de meu Pai em A.A.. E era justamente o cidadão que me trouxe o tiragosto a tarde. Quando o vi, não quis mais entrar no carro e comentei com meu Pai o motivo. O Homem perguntou a meu Pai se eu era o filho dele que ele tanto comentava e disse que eu estava desesperado por estar tomando cachaça daquele jeito, em plena segunda-feira.
Após várias tentativas minhas de sair dali, fui convencido a entrar no carro. Fui levado a um Grupo bem distante, onde assisti aquela minha primeira Reunião de A.A., mas totalmente contra a minha vontade.
Na real, na real, eu queria mesmo era ganhar a garrafa que ele havia me prometido. Na real, na real, se fosse pra escolher uns mil lugares, ou mesmo uns dez mil lugares onde eu quisesse estar naquele momento, confesso que uma sala de A.A. não estaria nem em último lugar.
Só sei que eu fiquei na sala o tempo todo. Não hesitei em entrar, porque funcionava na Associação de Moradores. Não tentei sair porque não tinha ninguém tentando me evangelizar, nem me perguntando nada. Quando me fizeram as 12 Perguntas que normalmente fazem nos Grupos, para ajudar a pessoa a se identificar se tem ou não problemas com a bebida, me disseram que eu não precisava responder em voz alta. No final, me perguntaram se eu queria ou não ingressar em A.A..
Ali gerou uns instantes de silêncio, pois eu pensei:"se eu disser que não, meu Pai vai ficar chateado e num vai me dar bebida. E se eu disser que sim, aí é que ele num vai me dar mesmo!".
Ainda bem que naquela Região os coordenadores não perguntam se a gente quer ingressar ou se quer voltar mais vezes, porque se me perguntassem se eu queria voltar outras vezes, eu diria que sim e certamente não voltaria mais nunca....já teria até morrido! Mas só me deram duas opções: SIM ou NÃO. E eu disse SIM, somente para agradar me Pai.
Quando terminou a Reunião, fomos quase todos do Grupo pra uma pizzaria....só chegava refrigerantes na mesa. Quando eu perguntei pela minha bebida, meu Pai me disse:"Você disse que queria ser membro de A.A. e membro de A.A. num bebe não!".
Naquela noite, após muito tempo, eu estava pela primeira vez participando de uma "brincadeira" sem fazer uso de bebidas alcoólicas. Naquela noite, naquele Grupo de A.A., eu escutei alguém me perguntar se eu já tinha imaginado que eu poderia aproveitar muito mais a vida se não bebesse. Naquela noite, após muitos anos, muitas pessoas me disseram que eu era a pessoa mais importante, quando, na verdade, eu não tinha mais importância alguma, a não ser para a Justiça, que tinha interesse em mim.
Naquela noite de 18 de Setembro de 1995, eu tomei o que pra mim, até hoje, foi o meu último gole. São 16 anos sem ingerir o primeiro gole. São 5840 dias. Sei que o meu último gole está bem distante, mas o primeiro gole continua na mesma distância de sempre, que é a distância do meu braço. Por isso, meu tempo Sóbrio não me diferencia de quem está começando hoje o plano de não usar, só por hoje. Até porque, eu também estou começando agora mesmo o plano de não usar, SÓ POR HOJE, pois de nada adianta eu passar cento e sessenta mil e cento e quarenta horas e não conseguir passar mais vinte e quatro horas sem ingerir bebidas alcoólicas.
Hoje eu já assisti uma Reunião. Viajei 120 KM para ir coordenar os trabalhos da Comissão Organizadora do Encontro Estadual de Alcoólicos Anônimos. Lá, tomamos refrigerante e saboreamos uns salgados e os companheiros cantaram parabéns pra mim. Trocamos experiências, forças e esperanças. Tudo isso em prol não de mim, mas do alcoólico que ainda sofre.
Hoje eu senti uma alegria imensa por estar desfrutando destes momentos maravilhosos. Mas eu queria muito que esta alegria fosse compartilhada com cada um de vocês que me ajudam diuturnamente.
Queria muito, neste dia, poder estar lá no meu Grupo de ingresso, em Pernambuco, agradecendo aqueles companheiros que me estenderam a mão, justamente na hora em que eu não queria, mas precisava. Queria muito que meu Pai, meu falecido Pai, estivesse aqui em nosso meio, para desfrutar comigo desta minha alegria. Queria muito que aqueles companheiros que já se foram para uma outra vida, soubessem o quanto sou grato pelo que fizeram comigo, me apadrinhando ao longo destes anos todos. Queria muito que meus irmãos estivessem aqui comigo, para poder ver que estou bem melhor por não estar mais usando drogas. Queria muito que minha Mãe estivesse aqui, para poder ir comigo hoje no Grupo...ela que só esteve presente em duas Reuniões durante estes anos em que estou em A.A....e olha que a primeira vez que ela esteve presente foi justamente no meu recebimento de ficha de 2 anos, pois ela ainda demorava a acreditar que eu não voltaria mais aquela vida!
Mas eu tenho que aceitar as coisas que não posso modificar. Tenho que aceitar a realidade de meus dois irmãos mais novos estarem vivendo nas ruas de Recife. Tenho que entender que não posso modificar ninguém....mas posso modificar a mim mesmo, inclusive, posso modificar meus pensamentos e meus sentimentos, ao invés de ficar triste, posso ficar alegre pela Dádiva de mais um dia limpo.
Dia 18 de Setembro também é uma data muito importante para mim, pois foi justamente nesta data que, há exatos 18 anos, eu conheci a mulher com quem convivo até hoje.
Salve 18 de Setembro!
Abração a todos e TAMUJUNTU.

3 comentários:

  1. Me emocionei com seu post de hoje, a sua história é de fato incrível, uma história de superação, de força de vontade, de vitórias. Parabéns você merece a felicidade porque você conheceu a infelicidade e de lá quis sair.
    Estamos juntos sempre.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Giulli!
    Realmente eu conheci a infelicidade, mas hoje posso dizer que desfruto de grandes momentos de felicidades, apesar dos fatos que conspiram contra isso.
    Obrigado por sua amizade!
    Sim, TAMUJUNTU, sempre!
    Abração, amiga!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns,vc é um vencedor!
    Que DEUS o abençoe grandemente e te dê forças para prosseguir em sei propósito sempree!
    Beijão!

    ResponderExcluir