Sejam Bem Vindos!

Quero agradecer, carinhosamente, pela sua visita e espero que possamos continuar partilhando experiências, as quais considero-as importantes para manutenção de minha recuperação.
Sua partilha (comentários) aqui nos Posts, bem como seguir-me quando julgares conveniente, é importante para que possamos estreitar ainda mais a nossa amizade, algo que é fundamental para um crescimento em nível de ser humano...ainda mais quando se trata de um adicto em recuperação, como eu.
Por isso, mais uma vez, muito obrigado por sua presença!
Que bom que você veio! Que bom que você me visitou!
Melhor ainda será ler seus comentários e ver-te aqui, sempre que possível, ajudando-me dia-a-dia.
Que O PODER SUPERIOR continue te concedendo o direito de reconhecer, aceitar e realizar a Vontade DELE, em todas as suas épocas e lugares, para que só assim, possas continuar desfrutando destas Dádivas de renovados dias Limpos, Serenos e repletos de Saúde e Paz!
Abraços e TAMUJUNTU.
Loading...

Siga por e-mail

terça-feira, 4 de outubro de 2011

EU TE ENTENDO!

Sou seguidor de muitos blogs de codependentes. Acompanho histórias e mais histórias de famílias desesperadas. Também lido, em minhas atividades diárias, com tratamento e recuperação de adictos e, também, acompanho de perto o sofrimento das famílias. Faço isso já há um certo tempo e tenho presenciado fatos impactantes que realmente mexem muito comigo.
Eu me identifico muito com cada partilha. Enterndo direitinho cada palavra proferida pelas Mães, Pais, Esposas, Filhos. Aliás, entendo tanto que, quando começo a escutá-los(as) ou a ler (nos blog's) o início do parágrafo, já sei o que vão dizer no final. Entendo perfeitamente cada linha de raciocínio também. Sei como estão sentindo-se e tudo o mais. Realmente, eu te entendo!
Mas eu também sei como é que é ser um Dependente Químico. Sei como é viver como o seus familiares (os adictos) estão vivendo. Sei como é que é agir como eles estão agindo. Sei como é ruim ter que fazer as coisas que sabemos ser errado fazer, e mesmo assim, fazer porque não conseguimos controlar nossos impulsos, nossa doença. Eu também endendo isso! Sei como é ruim ter que encarar nosso familiar depois de ter feito uma vergonha imensa, independente do que tenhamos feito.
Não é somente a família quem fica com vergonha, não. Eles (os adictos) também ficam com vergonha....acreditem!
Eles também ficam triste pelo que estão fazendo, mas ficam sem outra alternativa, sem terem forças para fazer ao contrário, pois não estão fazendo as iniciativas corretas para que todo o resto também dê certo. Eles não estão acionando o "botão da boa vontade", de forma que eles possam ter forças para agir com sanidade, fazendo as coisas certas.
Eu custumo dizer que nós, adictos, para conseguir iniciar nossa recuperação e permanecer nela, temos que "ingatar uma marcha de força", "acionar o botão de tração", assim como esses carros que tem tração nas quatro rodas têm que fazer para conseguir andar em terrenos lameados, nas mais difíceis situações do solo.
Por mais que nós, enquanto família, não acreditamos muito que alguns adictos não têem vontade de se recuperarem, a verdade é que eles têm, sim, vontade.....mas vontade, apenas, não é tudo....vontade tem que ser com força.....com força de vontade....mas infelizmente eles estão tão doentes que não estão mais conseguindo ter esta força necessária e vital para que consiga reerguer-se.
É justamente aí que entra a importância da família em ajudar. Primeiro, antes de mais nada, é preciso saber como ajudar, pois quando não se sabe ajudar, é melhor não atrapalhar.
Entendo que grande maioria das famílias dos DQ tem vontade de ajudá-los. Digo grande maioria porque tem familia que não estão nem aí pra eles. Sem falar que conheço famílias e mais famílias que estão todos na mesma situação, então, não tem como um dar atenção e ajuda ao outro. Estão todos necessitado de cuidados, mas não pode dar entre si.

Para enfatizar mais ainda essa questão das famílias que estão quase todas envolvidas com as Drogas, eu não preciso ir muito longe, não.....basta eu falar da minha família. Todos meus irmãos tiveram e alguns deles ainda têm envolvimento com Drogas.
Quero aqui trazer um outro caso, onde eu conheço pessoalmente a família em questão. Trata-se de uma família moradora do meu querido Recife/PE. Quase toda a família tinha envolvimento com Drogas.
No dia 26 de Dezembro de 2011, Rafaela, com apenas 11 anos, teve uma overdose. Segundo alguns amigos nossos em comum, que tiveram com ela poucos instantes dela morrer, disseram que ela havia consumido maconha, havia cheirado cola e loló. A Polícia também chegou a prender um homem e um outro menor que estava com ela no momento de sua morte.
Algum tempo depois, a irmã dela, com apenas 17, também faleceu, devido ao envolvimento com Drogas. Elas já haviam perdido a Mãe e um irmão, também por causa das Drogas.
Vejam o que diz o site O GLOBO....click no link: http://oglobo.globo.com/cidades/mat/2011/01/05/morre-em-recife-irma-de-menina-de-11-anos-vitima-de-overdose-de-drogas-923426798.asp

"É o quarto membro da família que morre devido ao consumo de entorpecente. As duas já haviam perdido a mãe e um irmão, também devido ao vício. De acordo com laudos policiais, Rafaela e o irmão tiveram parada cardíaca, devido ao uso de loló. "


Imagem de Rafaela - 11 anos - overdose.


Este outro link também trás a matéria com mais detalhes e fotos: http://pe360graus.globo.com/noticias/policia/drogas/2011/01/05/NWS,527005,8,585,NOTICIAS,766-IRMA-MENINA-VITIMA-DROGAS-MORRE-SUSPEITA-OVERDOSE.aspx


Então, conheço esta realidade e me identifico com ela. Hoje eu vivo os dois lados da DQ. Hoje estou me recuperando e ajudando outros a si recuperarem. Mas hoje eu vivo com a dor de ter meus irmãos ainda na ativa, vivendo nas ruas.
Mas, como diz a história, eu só sou responsável pela minha recuperação. Só posso evitar o meu uso, não posso evitar que eles usem. Eu só consigo modificar a mim mesmo.
O máximo que eu posso fazer por eles e por tantos outros, é ajudá-los.....mas depende deles querer e aceitar ajuda.
Abração e TAMUJUNTU.

12 comentários:

  1. Nossa amigo... que cenas forte... muito fortes...
    Foi dificil pra mim para de olhar pro meu umbigo e começar a entender o que sempre ouvi na sala:
    "Se vc sofre, se te dói desse jeito, imagina o quanto dói no outro o quanto ele sofre... pq quem usa drogas não é vc... quem se mata na verdade são sempre eles!"
    E é uma verdade... o adicto é tão ou mais vitima que nós mesmos
    Otimo post

    ResponderExcluir
  2. Pode crê, Cicie!
    A gente só sabe o tamanho da dor quando é a gente que a sente.
    Agora, se vc acha essas cenas forte, sendo elas por fotografias, imagine pessoalmente, presencialmente, como eu já presenciei tantas e mais tantas?
    Imagine como é ver cenas dessas e ainda por cima, um familiar desesperado, gritanto, clamando pela vida do ente querido que já não escuta mais?
    São mesmo cenas fortíssima, amiga!
    Abração e TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  3. eu chorei..
    eu sempre julgo e por hoje pensei: Como ELE se sente??
    realmente o outro lado também é cruel!!

    Tá.. mas COMO ajudar ? rss

    ResponderExcluir
  4. Bom...
    Novamente eu digo que, em Dependência Química (DQ), todos sofrem. Seja o adicto, seja a família, seja o patrão, o empregado, a sociedade, etc....todos sofrem.
    Mas cada um sabe do seu sofrimento. Cada um só sabe do seu sofrimento. Não temos como avaliar a intensidade da dor no próximo.
    Agora vem a sua pergunta, Adri: "Tá..mas COMO ajudar?".
    Primeiramente, conhecendo mais sobre a Dependência Química, através de leituras (livros, revistas), pesquisas, jornais, etc.
    Descobrindo que trata-se de uma Doença, abre-se um leque para que possamos entender que ninguém torna-se doente por que quer. Assim sendo, podemos agir de maneira diferente, compreendendo ao invés de julgá-lo. Percebemos que é melhor ouví-lo, ao invés de criticá-lo. Descobrimos que é melhor amá-lo, ao invés de odiá-lo.
    Outro fator interessante é mostrá-lo que estamos do lado dele, mas sempre deixando ele fazer as coias que são de responsabilidade dele, pois este é um dos maiores pecados dos familiares, porque sempre querem fazer pelo dependente o que não lhe compete. É o que chamamos de "agir pela emoção"....o que não funciona!
    Em Dependência Química, só funciona as ações da razão...estas, sim, nos proporcionam grandes emoções...mas as ações emotivas, estas só nos tiram a razão.
    Deixe claras as conseqüências dele recusar-se a procurar ajuda. Explique para o dependente que até que ele aceite ajuda, você irá tomar algumas atitudes na sua vida, não para puni-lo, mas para se proteger, para aliviar seu sofrimento. Essas medidas podem variar, podendo até mudar de casa para não se envolver em situações problemáticas. Mas cuidado: não faça ameaças que não possa cumprir, mencione apenas o que você realmente tem condições de por em prática.
    Sempre que possível, devemos mostrá-lo meio e/ou métodos que podem ajudá-lo, tipo ajuda profissional num serviço adequado, ou num Grupo de mútua ajuda.
    Umas das coisas mais certas e cabíveis é deixar que ele mesmo tome a iniciativa. Os resultados são bem mais saatisfatórios quando ele reconhece que chegou ao limite e que necessita e aceita ajuda. Aí é onde a família deve estar preparada para fazer a sua função. Porém, até que ele reconheça isso, muitas vezes terá que passar e proporcionar muito sofrimento.
    Então, Adri...tenha paciência, porque hoje o tempo corre a nosso favor.
    Não adiante querer fazer as coisas andar mais rápido de ele não quer nem seguir no caminho certo, entende?
    Quando eles não querem ajuda, o melhor que se tem que fazer, é a família procurar levar sua vida da melhor maneira possível, acionando o "desligamento emocional", de forma que não se deixe abater pelo descontre da vida do adicto, e o acionando o "piloto automático", de forma que não se deixe perder o rumo da vida.
    Abração, amiga!
    TAMUJUNTU

    ResponderExcluir
  5. CORREÇÃO.....A DATA DO FALECIMENTO DE RAFAELA É DIA 26 DE DEZEMBRO DE 2010, E NÃO DE 2011, CONFORME O TEXTO.
    TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  6. Nossa que forte. Susto e arrepio..

    Meu beijo...

    ResponderExcluir
  7. Fiquei chocada com aqla foto, nossa cada situação triste...
    Tamojunto amigooo
    Beeijos

    ResponderExcluir
  8. Andréya...de fato, nos assuta essa triste realidade, né? São cenas forte demais. São histórias arrepiantes mesmo. Mas nós também temos que ser forte para lidar com isso.
    Abração, amiga....TAMUJUNTU.


    Jé, amiga!
    É como eu disse, essa cena é forte por fotografia, imagne pessoalmente?
    Se vc tivesse visto o que eu vi recentemente...
    Abração, amiga.....TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  9. Meu querido amigo, eu queria dizer que também ENTENDO o outro lado. Ao menos tento... Mas, confesso que não é fácil. Quando cada um fica preso em sua própria dor, e só é capaz de pensar em si mesmo (seja o adicto ou o co-dependente), não há como ter ajuda mútua. Essa ajuda só existe quando conseguimos compreender ao próximo em sua essência, e é essa compreensão que faz toda a diferença.
    TAMUJUNTU!
    Esse Post me ajudou muito! Mas, rolei a tela na foto... Muito forte! Tenho uma filha de 12 anos, você sabe, né. Caramba, que dó!

    ResponderExcluir
  10. Parace contraditório, Poly, eu dizer que te entendo, mas que é difícil compreender o próximo. rsrs
    Mas é justamente por aí mesmo....eu entendi direitinho o que vc quis dizer.
    Realmente não é fácil.
    Valeu, Poly....TAMUJUNTU, amiga!

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. RETRIBUINDO SUA VISITA,COMPANHEIRO! CONTINUE VOLTANDO QUE MAIS SERÁ REVELADO! SÓ POR HOJE NÃO CAIREI NAS ARMADILHAS DA ADICÇÃO!BASTA DE CEGUEIRA OPORTUNISTA... ABRAÇO PAZ E BEM

    ResponderExcluir