Sejam Bem Vindos!

Quero agradecer, carinhosamente, pela sua visita e espero que possamos continuar partilhando experiências, as quais considero-as importantes para manutenção de minha recuperação.
Sua partilha (comentários) aqui nos Posts, bem como seguir-me quando julgares conveniente, é importante para que possamos estreitar ainda mais a nossa amizade, algo que é fundamental para um crescimento em nível de ser humano...ainda mais quando se trata de um adicto em recuperação, como eu.
Por isso, mais uma vez, muito obrigado por sua presença!
Que bom que você veio! Que bom que você me visitou!
Melhor ainda será ler seus comentários e ver-te aqui, sempre que possível, ajudando-me dia-a-dia.
Que O PODER SUPERIOR continue te concedendo o direito de reconhecer, aceitar e realizar a Vontade DELE, em todas as suas épocas e lugares, para que só assim, possas continuar desfrutando destas Dádivas de renovados dias Limpos, Serenos e repletos de Saúde e Paz!
Abraços e TAMUJUNTU.
Loading...

Siga por e-mail

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

A HISTÓRIA DE ELIZEU


Olá, pessoal!
Tudo bem com vocês?
Espero que estejam todos desfrutando de muita saúde e paz, juntamente com todos os que lhe são caro.

Carnaval passou... Aquelas folias deixou muita tristeza em muitas famílias... Muitos partiram pra outra sem nem mesmo ver nada... Tudo muito rápido, repentino. Alguns tiveram uma “sorte”, digamos assim, de ter uma segunda chance e estão tendo tempo para avaliar se vale mesmo a pena continuar levando essa vida de folia. Mas nem todos os que estão tendo essa nova chance, irão conscientizar-se de que existe um problema em seu relacionamento com o uso de drogas, sejam elas lícitas ou ilícitas.

A minha postagem de hoje eu quero narrar uma história de uma pessoa que teve essa segunda chance. Aliás, teve não só a segunda, mas a terceira, a quarta, etc.  Foi felizardo em ter várias chances, assim como eu e tantos outros.

Recebemos há alguns meses atrás, na Instituição de Tratamento que faço parte da equipe técnica, um jovem de apenas 26 anos, pedindo (implorando) ajuda para se internar. Seu semblante, altamente debilitado, deixava impressão que o mesmo tinha uns 40 anos. 
As marcas pelo corpo diziam que o Poder Superior já lhe havia sido bastante generoso, pelo fato de ainda continuar respirando, pois as cicatrizes eram de que haviam atentado, não somente uma vez, contra sua vida.   O mesmo confirmava isso numa conversa aberta comigo, quando de sua recepção, o que simplesmente mexeu comigo por inteiro.

Sua história de vida assemelha-se a de quase todo adicto que entra no que eu chamo de “Submundo do Sistema”.  Entretanto, existem umas coisas que nos torna mais identificados um com o outro, pelas minuciosidades de cada partilha. E foi o que aconteceu comigo e ele, quando começamos a falar um pouco de nós.

Falei de minha vida antes do uso de drogas (que foram poucos anos de infância), falei de minha vida com o uso de drogas e falei de minha vida em recuperação, de como estou conseguindo manter-me dia após dia, sem usar drogas e falei um pouco da Irmandade de Narcóticos Anônimos, além de falar de nosso tratamento na Instituição.

O que aconteceu naquela manhã, tenho certeza de que iria mudar para sempre a vida daquele jovem, independente dele continuasse ou não em recuperação, pois a experiência nos diz que, uma vez escutada a mensagem de que "um adicto, qualquer adicto, pode parar de usar, perder o desejo de usar e encontrar uma nova maneira de viver", nunca mais ele conseguirá fazer uso de drogas sem que isso lhe venha em mente e lhe tire o sossego a cada uso.

É isso o que dizem todos aqueles que já passaram pela sala e não conseguiram continuar voltando.

Durante nossa conversa, pude ver que ele vinha de uma família de certa condição, mas que já estava totalmente desprezado, rejeitado pela família, largado pelo mundo e só quem se interessava por ele, era a Justiça, pois existiam alguns Mandados em desfavor do mesmo.  E isso seria um grande problema naquela hora.

  O que fazer nessa hora??? 
Aceito ele na Instituição?
 Comunico  ao Diretor da Instituição, na qual não é permitido admissão de pessoas nestas condições???? Ou simplesmente coloco na ficha dele que não está devendo nada para Justiça????    E o meu programa de recuperação????      E onde fica meu exemplo de que há necessidade de sermos honestos consigo mesmo????     E tudo aquilo que eu havia acabado de dizer pra ele, de que o programa só funciona para quem consegue ser honesto ao menos consigo mesmo?????

E agora???    SIM ou NÃO?   Deixo-o voltar pra rua e continuar aprontando?????     Ou tento ajuda-lo, já que são poucos os que estão em condições de decidir por si próprio que necessita e quer ajuda???

Estas perguntas vêm em mente em questões de segundos. São detalhes que podem salvar ou até mesmo condenar uma vida. Mas quem sou eu para condenar alguém ou negá-lo o direito de se tratar??

O motivo que a Instituição alega para não aceitar pessoas nestas condições, é de que pode haver complicações outras além do Judiciário e o mesmo pode ser “cobrado” dentro da Instituição, haja visto a livre entrada de pessoas na mesma, como de fato, já aconteceu em outras CT. Por isso, algumas CT não querem aceitar pessoas que estejam nessa situação.

Chamei o monitor e pedi que ficasse conversando um pouco com aquele jovem e me dirigi rapidamente ao Diretor. Falei francamente do que estava se passando e o mesmo, de imediato, já balançou a cabeça negativamente.

Baixei a cabeça e estendi-lhe o braço, repassando os papéis preenchidos com os dados recém-obtidos do jovem em questão. Caminhei para fora da sala e parecia que a porta cada vez mais se distanciava, pois eu queria logo sair dali e tentar não me sentir culpado pelo que estava acontecendo.

Tudo bem que eu não estava com culpa alguma. Eu apenas estava fazendo a minha parte e o que, aos olhos da Instituição, seria o correto.   Mas dentro de mim, só eu sei como estava me sentindo naquele momento.

Consegui sair da sala. Fui para a área livre e logo se aproximou de mim outro interno e começou a conversar sobre outros assuntos, mas eu não conseguia nem me focar no diálogo.  Eu sabia que tinha algo acontecendo que estava acabando com minha paz interior.

De repente, vi aquele provável futuro coordenador de Instituição sendo liberado... Mas não liberado para ficar...mas liberado para ir embora, resolver sua situação com a Justiça e depois voltar para se tratar.

Olha só.    Será mesmo que ele iria se entregar a Justiça, dizer que queria ser internado para se recuperar das drogas???

Já estava se aproximando de meu horário de sair e comuniquei a minha saída. O Diretor me chamou e disse que iria me explicar (novamente) os motivos pelo qual ele tomou aquela decisão, mas eu simplesmente disse: “Eu já sei, já conheço as normas daqui e mesmo sem concordar, eu respeito sua decisão. Agora, infelizmente meu horário já chegou e eu tô indo ali atrás daquele jovem, pois minha conversa com ele ainda não terminou. Até quinta-feira!”.

Sai rapidamente e encontrei o jovem sentado em baixo de um pé de manga, se alimentando daquela que era sua primeira alimentação do dia... umas mangas maduras que estavam no chão.

Quando ele me viu, fez que nem me viu, pois pensava que eu iria passar direto.     Enganou-se!!!  

Eu parei... Aproximei-me... Sentei ao lado dele, nos tijolos que havia ali naquela sombra.  Tivemos outra partilha bacana e ele ressentido dizia que iria continuar naquela vida que, segundo ele, DEUS queria que fosse assim.

Chamei-o para que ele fosse comigo.  Ele perguntou pra onde e eu falei.  Era para uma casa de um brother meu ali perto, que também estava em recuperação e que certamente iria nos ajudar.  Ele prontamente aceitou o convite.

Chegando lá, fomos muito bem recebidos e eu contei a situação. Meu amigo logo disse: “Aqui você tá em casa, mano!   Se você quiser mesmo ser ajudado, pode contar comigo.   Mas se não quiser, nem tente dar uma de bonzinho, que eu tô ligado eu tu.   Vem aqui pra eu te mostrar...!”.

Pronto!!    Havia conseguido um lugar para ele passar aquele dia e, quem sabe, conseguir uma vaga em outra CT.

Conversamos por mais uma hora e meia. Almoçamos por lá mesmo. Na parte da tarde, eu vim em casa, peguei umas roupas e levei para ele. Chegando lá, ele estava dormindo.  Fiquei conversando com meu amigo e explicando para ele a situação com mais detalhe, já que no início não tive como falar detalhes na frente do jovem.    Este meu amigo é dos meus e disse logo: “Cara !   Tu sabe que podes contar comigo, véi!!  Se ele quiser mesmo ajuda, tamos aqui.  Ele só não pode querer vacilar comigo, que tá ligado, né??”.

Esse meu amigo é mesmo “parada dura”. Pra ajudar, é com ele mesmo.... Mas também se aprontar com ele...já era...

Eu sabia disso, mas era o que eu podia fazer naquele momento.   Até pensei em trazer o jovem pra minha casa, como já trouxe outras pessoas que tiro das ruas, mas como este meu amigo morava pertinho da CT e estava morando sozinho numa cada grande, e também já sabia como ele era receptivo, então achei por bem leva-lo para lá.

Fiz o certo.    Os dois se deram tão bem, que começaram a trabalhar juntos.   Este meu amigo é Pedreiro e começou a levar o jovem para auxiliá-lo.

Todas as noites, salas de recuperação.   Como não tinha NA todos os dias na Cidade, ele frequentava também os Grupos de A.A. e foi pegando gosto pelas Irmandades.   Com poucos dias, ele começou a adquirir as coisinhas dele. Dizia não querer contato com a família, pois sabia que iria ouvir que aquilo era por poucos dias e que logo ele estaria usando novamente.  Preferiu deixar o tempo cuidar das coisas.

O tempo realmente cuidou para que ele hoje esteja bem e participando das atividades dos Grupos. Hoje ele está “limpo”, está trabalhando profissionalmente e também está sendo Servidor de Confiança em seu Grupo base, onde continua fazendo sua recuperação.

Conversei com ele sobre a importância de se trabalhar os Doze Passos e ele entendeu que realmente seria importante começar a vivenciá-lo em todas as suas atividades.

Marcamos, então, uma visita à sua família.
Foi um momento marcante, quando ele chegou em casa, com uma farta cesta básica para sua Mãe que, mesmo sem necessitar tanto daquela cesta, viu-se emocionada pelo fato do filho estar retornando com outro semblante, visivelmente mudado.    Já não estava mais com os 46 kg, mas sim, com seus 74 kg.  O cabelo e a barba feita, a roupa limpa e o “-Benção, minha Mãe!”, afirmava que aquele era um outro filho que ela já não conhecia há mais de uma década. Agora ele era o Elizeu! O seu verdadeiro filho!

Agora ele era conhecido pelo seu nome e não pelo seu “vulgo”, pois o seu convívio social já não era o de outrora. Agora ele se relacionava (e se relaciona) com outras pessoas, não que sejam de outra classe social, mas pessoas que não usam drogas e não vivem a margem da sociedade.

Quanto ao seu problema com a Justiça...
Bom!!!  Isso Elizeu já está resolvendo.
Eu o apresentei a um amigo meu (agora nosso), que é Promotor de Justiça e Pastor Evangélico, que ficou de ajudá-lo. Certamente agora as coisas estão em seu favor.

Eu fico feliz por ter encontrado as portas de A.A. e de NA, onde eu também pude entrar e fazer minha recuperação, pois se eu tivesse encontrado uma Instituição como esta, que me negasse o direito de me internar, pelo que eu me conheço, talvez eu não estivesse escrevendo aqui esta postagem...certamente já teria morrido há tempos.

Eu e Elizeu hoje somos mais que amigos. Aliás, eu, Elizeu e nosso amigão que nos acolheu em sua casa.  Somos muito próximo um do outro. Estamos sempre juntos, numa equipe, levando a mensagem onde quer que seja. Hoje ele tem a alegria de acordar e ter um lar e, mais que isso, ele tem alegria em acordar sóbrio, sem ressaca, sem ressentimentos, sem sentimentos de culpa, sem ter que usar novamente, sem ter que sacrificar nada para conseguir a próxima dose, sem ter que andar correndo da Polícia pelas “quebradas”...

Hoje ele está sempre visitando a casa dos Pais, apesar de continuar morando com nosso amigo.    Ele até já quis alugar um lugarzinho para ele, mas nosso amigo disse que não quer ficar sozinho e que lá está aberto até pra mais um que queira se recuperar, assim como o Elizeu.

Eu me alegro quando posso fazer algo pelo meu semelhante. Estou sempre sendo alvo de críticas por agir de formas “estranhas” com pessoas estranhas, como por exemplo, parar para dar carona a desconhecido em estradas, etc.


Reconheço que é arriscado demais, mais meu coração já não é tão ruim como antigamente, que eu era capaz de passar por cima. Hoje eu já paro para ajudar e se tiver que me acontecer algo, vai acontecer, pois eu continuarei parando.

Eu tenho que continuar lutando contra aquilo que me levava a usar drogas e que não era somente minha vontade, mas também meus comportamentos e um deles era justamente esse de fazer maldades.

Esta história do Elizeu é parte de minha vida.

Que tantos outros Junior e Elizeu possam continuar desfrutando da Dádiva da recuperação.  Que possamos agir para com o nosso próximo, assim como gostaríamos que agissem conosco.   Afinal, quem é que, num mundo de hoje, coloca dentro de sua casa, alguém que não conhece e que vive nas ruas, que é usuário de drogas e é procurado pela Justiça???

Obrigado, Poder Superior, por mais um dia “limpo, Só Por Hoje!”.
Obrigado a cada um de vocês por continuarem me ajudando em minha recuperação.
Aceitem um forte e carinhoso abraço e bons momentos a todos.
Abração e TAMUJUNTU.
Júnior, um Adicto em Recuperação, Limpo, Só Por Hoje!

7 comentários:

  1. Olá amigo! Que linda história! Acredito que sejam situações como essa que também continuam te ajudando a se manter limpo e ter a certeza de que valeu a pena tudo o que enfrentou para chegar até aqui.
    Abraços TMJ!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente, companheira, estas situações me ajudam bastante não somente em minha recuperação de manter-me limpo, mas também me colocam como um ser mais humano, o que eu não fui e nem poderia me tornar, caso continuasse com meus comportamentos de ativa. E com toda certeza, sou convicto de que valeu (e tá valendo) a pena tudo o que enfrentei para chegar até aqui
      Bom te ver por aqui. Bons momentos pra ti, amiga!
      Abração e TAMUJUNTU.

      Excluir
  2. EMOCIONADA...OBRIGADO PELA PARTILHA...TAMU JUNTO AMIGO

    ResponderExcluir
  3. Q história mais linda, vc é um homem raro heim rsrs... Parabéns pela sua iniciativa.
    Grande abraço meu amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois eh, Jé... eh acho a história um tanto emocionante...
      ...agora, quanto ao homem raro...rsrsrs
      Valeu pela força, minha amiga!!!
      Abração e bons momentos.
      TAMUJUNTU.

      Excluir
  4. Que história linda,vc é de fato um iluminado,já te falei isso e não canso de repetir,o Poder Superior te usa a cada instante da sua vida,cada pessoa que visita esse blog,cada pessoa que te conhece e sente essa sua energia é agraciado...
    Por isso agradeço a DEUS por ter colocado vc em minha vida,TamuJuntu...

    ResponderExcluir